quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Livro "Homo Cactus" é discutido no Clube de Leitura do Sesc Caixeiral


Nosso livro "Homo Cactus" (Editorial Hope, 2018) foi o livro escolhido para ser debatido no Clube de Leitura do Sesc Caixeiral. O encontro aconteceu dia sábado (03/11) em Parnaíba/PI, tendo como mediadora a professora e escritora Amparo Carvalho. 


Sob a supervisão da analista Camila Maia, o evento contou com a presença de escritores e admiradores das artes literárias numa conversa agradável em torno da obra. A mediadora Amparo Carvalho conseguiu, com mestria, destrinchar alguns enigmas no processo de criação dos contos, conforme confessou o autor. 

Assim, Homo Cactus, no salão nobre do prédio histórico da União Caixeiral, encontrou conforto de anfitrião. Seja na palhoça ou no salão, Homo Cactus trás consigo a estória e a memória de muita gente...

Comprar o livro Homo Cactus AQUI


sábado, 10 de novembro de 2018

Encontros literários com estudantes de duas Escolas Chavalenses...


Um sábado (20/10) de encontros literários com estudantes de duas Escolas Chavalenses...


Em um primeiro momento estivemos na Escola Luzia Cardoso Passos no Distrito de Carneiro e posteriormente marcamos presença na Escola Epitácio Brito de Oliveira na sede de Chaval/CE.

Agradecimento à Escola Luzia Cardoso Passos na pessoa de sua diretora Sara Carneiro e demais professores e amigos: Neidinha, Clecildo, Angelino, Cleber, Queriane, etc. Obrigado a Valéria Carneiro pelo arte em nossa homenagem.... ficou lindo! 

Na ocasião falamos um pouco sobre nossa trajetória estudantil (somos ex-alunos da escola citada) desde o ensino fundamental até o ensino superior. Quanto à literatura, fomos bastante questionados pelos presentes, desde O Pescador até Homo Cactus. Foi massa!

Gratidão à Escola Epitácio Brito: Direção, professores e estudantes que fizeram um evento lindo... Grato Jakelia Rocha, Dolores, Jailson, Adriana... Grupo Cearensês etc..

Lá, falamos um pouco mais sobre Homo Cactus. Expliquei aos presentes todo processo de criação da obra e ver nossos contos sendo interpretado em forma de peças teatrais não tem preço. Amamos o cordel releitura do conto "Homo Cactus". Galera deu um verdadeiro show nas apresentações..

Enfim... #Gratidao a todos !

Mais na nossa página no Facebook:

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

domingo, 14 de outubro de 2018

Livro Homo Cactus é lançado em Parnaíba/PI

Ocorreu na noite de ontem (13/10) o lançamento do livro “Homo Cactus” do escritor Marcello Silva. O evento de lançamento aconteceu no Café Concerto do Sesc União Caixeiral (Centro Cultural Reis Velloso) em Parnaíba/PI. 


A solenidade se iniciou com as boas-vindas de Camila Maia, analista de literatura do centro. Logo em seguida, o escritor Carvalho Filho fez a apresentação da obra aos presentes. Posteriormente, se iniciou o bate-papo com escritor Marcello Silva, mediado pela escritora Luana Silva. 

A cerimônia foi abrilhantada com música ao vivo, um repertorio de canções regionais, de Luiz Gonzaga, Alceu Valença até Zé Ramalho etc. As músicas foram interpretadas brilhantemente por Jailson Jr. e Kayt Marinho com apoio de Morgana Sales. 

Estiveram presentes escritores de Versania e da Academia Parnaibana de Letras, dentre outros literatos, além dos demais amantes da arte literária. Essa junção fez fluir o bate-papo em torna da obra “Homo Cactus” agora oficialmente lançada em Parnaíba e em breve estará disponível na biblioteca do Sesc Caixeiral. 

Ao final todos se confraternizaram em coffee break servido no espaço. Os registros fotográficos são da fotógrafa Anastácia Bandeira.



Veja todas as imagens do evento AQUI

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Ubatuba: deus de água


Não sei se aprendi primeiro a andar ou nadar; se corri primeiro nos pastos infindáveis entre carnaubeiras ou atravessei a nado as águas turvas do Ubatuba, o rio intermitente que passava no quintal da casa dos meus pais. O rio nasce na região serrana/norte cearense. Sua nascente fica próximo ao distrito de Ubatuba em Granja, daí seu nome. Desde a serra até seu desaguar na maré de Chaval, o rio percorre aproximadamente 60 km, passando por diversas comunidades, dentre elas a minha querida Poção (o próprio nome da comunidade remete ao rio, pois quando ele apartava na estiagem ficava uma grande poça, uma “poção”)

O Rio Ubatuba está ligado diretamente à condição de existência da comunidade Poção. Numa região que sofre com seis meses sem chuva (julho a dezembro) o rio se apresentou, durante muito tempo, como a principal fonte de água para subsistência da comunidade e a referência se o ‘inverno’ (conhecido regionalmente como período chuvoso que compreendem os meses de janeiro a junho) era bom ou não, mensurado pelo nível das cheias (vazão) e o mês que ele ‘desceria com água’.

Recordo os dias de ‘inverno’ que, ansiosos, esperávamos pela ‘água nova’ que desceria no Ubatuba. Bastava chegar janeiro que, a cada chuva a expectativa aumentava. O Cheiro de terra molhada sob os pés descalços na ribanceira do rio. As vezes ele aprontava com a gente e resolvia ‘descer com água’ a noite. Acordávamos com aquele barulho de água nas pedras ou nas moitas de oitis e de um só pulo descíamos as ribanceiras. Mas se tinha uma sensação indescritível era ver a água surgindo, aos poucos, no leito seco. Ver aquele filete de água ganhando vida e logo depois se tornar aquele deus de água, é algo que eu nunca saberei descrever com as minhas singelas metáforas.

Por duas vezes tive medo do Ubatuba: 

A primeira foi em 1998 quando ele rompeu a ribanceira e ameaçou derrubar nossa casa. Relembro a aflição de minha mãe e os familiares ajudando a recolher os animais domésticos; meu pai guardando as ‘coisas’ no alto do telhado. A água ficou a dois palmos do peitoril de tijolo cru. Na frente tinha (ainda hoje tem) um campo de futebol, lembro que ele ficou sob água, e onde nós passamos aquele dia brincando de bola. Toda comunidade parecia estar ali. Aquele dia foi louco (rsrs). Naquele ano mudaríamos de casa. Nos afastamos um pouco do Ubatuba. 

A segunda vez foi em 2009 quando se registrou a maior enchente da história do rio. Ultrapassou todos os limites imagináveis, causando estragos durante toda sua extensão: das serras granjenses às marés chavalenses. Casas, roçados, animais... foram devorados pela fome do rio. A casa dos meus pais ficava a quase dois quilômetros do rio, por detrás um morro e mesmo assim ele veio até perto, parecia que nos procurava. Ficou a cem metros, vomitando água e barro. Encarei seus olhos e tive medo. “Agua não tem cabelo” gritava minha vó.

Hoje resido a quase 100 km do Rio Ubatuba, porém quando possível retorno ao seu leito, não importa se cheio ou seco, preciso estar lá para recarregar meu espírito de criança que ainda corre por lá entre as pedras e as ribanceiras escorregadias. Essa rotina cheia de hora marcada vai aos poucos consumindo nossa criança. É preciso voltar no tempo, reviver boas lembranças para que não morramos de tanto ‘hoje’. É preciso reconectar a deus... ao Ubatuba. 


Marcello Silva, 2018

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

LANÇAMENTO DE HOMO CACTUS EM PARNAÍBA/PI SERÁ DIA 13 DE OUTUBRO DE 2018.


O escritor chavalense Marcello Silva lançará seu novo livro denominado "Homo Cactus" no próximo dia 13 de outubro do corrente ano, às 18h no Café Concerto no Sesc Caixeiral em Parnaíba/PI. Na ocasião ocorrerá um bate papo com o autor e música ao vivo.

O livro publicado pela Editorial Hope reúne contos com temática interiorana. Lendas, estórias e misticismo estão presentes na obra. (Saiba mais AQUI)

Marcello Silva nasceu em Chaval/CE. Além de escritor é formado em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Piauí e graduando em Direito na Universidade Estadual do Piauí. (Saiba mais AQUI)

Capa do livro Homo Cactus.

domingo, 16 de setembro de 2018

Escritores versanianos participam de Chá Literário da Escola Francisca Trindade II



Na noite da última quinta-feira (13/09) a Unidade Escolar Deputada Francisca Trindade II, localizada na comunidade Lagoa do Prado, zona rural de Parnaíba/PI, realizou a culminância de seu projeto pedagógico de incentivo à leitura com um Chá Literário.

Na ocasião do evento, foram convidados pelo professor Fábio Costa, os escritores Versanianos Jailson Junior, Joyce Cleide e Marcello Silva. Após a recepção calorosa dos alunos, a coordenadora Francisca Sousa apresentou os trabalhos textuais produzido a partir do livro Versania. Posteriormente houve a composição da mesa de honra e as apresentações das melhores produções dos alunos, os quais receberam medalhas pelos textos selecionados.

Os escritores presentes palestraram sobre a importância da literatura na vida cotidiana, bem como no auxílio do desenvolvimento escolar do estudante. Cada versaniano demonstrou seu contentamento com o evento ao observar os trabalhos produzidos pela escola.

Findados os discursos, a Escola presenteou os escritores com livros contendo os textos produzidos no projeto pelos estudantes. Os escritores, por sua vez, presentearam a escola com o exemplar da 2ª edição da coletânea Versania, Jornal O Piagui, além do um exemplar dos livros, O Pescador e Homo Cactus de Marcello Silva.

Um coffee break reuniu todos em confraternização ao findar do evento. 






Veja como foi o lançamento do livro Homo Cactus em Chaval/CE


O dia 25 de agosto, parecia um sábado normal na rotina da nossa cidade, porém não foi. Mar. Vento. Poesia. Foi a combinação perfeita para o lançamento do livro Homo Cactus, do chavalense Marcello Silva

No final da tarde, junto ao por do sol, na barraca Gamboas, localizada no Porto do Mosquito, universitários, adolescentes, crianças, idosos e moradores das cidades circunvizinhas se reuniram para um bate-papo literário sobre as tramas que Marcello desenvolveu em seu livro de contos.

O bate-papo foi mediado pelo escritor parnaibano Pádua Marques, membro da Academia Parnaibana de Letras. Também marcaram presença os escritores Alexandre César, Carvalho Filho e Antonio José Sales.




Segundo o escritor pernambucano Marcelino Freire, o poeta deve conseguir vestir as palavras que escreve, o escrito Marcello Silva em seu livro Homo Cactus além de nos vestir de muitas memórias, nos levou ao encontro da nossa cultura. Isso foi demostrado através da apresentação teatral do grupo Cearensês, formado por alunas do ensino fundamental da Escola Epitácio Brito, que dramatizou um dos contos presente no livro, que narra a história de uma benzedeira.


Durante o bate-papo, o autor nos contou sobre seu processo criativo e a escolha do título da obra. Segundo Marcello, Homo Cactus representa a força, a resistência do povo nordestino, que mesmo diante de toda dificuldade, consegue criar poesia. Cada conto presente no livro, traz a vivencia do autor quando criança, são estórias ouvidas no alpendre de casa, muitas delas narradas pelos avós.

Rasga mortalha, imburana, benzedeira, lobisomem, pau-d’arco, curral, casa de taipa. Cada palavra nos leva ao imaginário popular cearense; cada palavra nos leva para dentro do sertão cantado por Luiz Gonzaga e versado por Patativa; cada palavra reafirma a força cultural do sertanejo, que R.E.S.I.S.T.E  como um Homo cactus.




Escrito por Neycikele Sotero
Fotos: Olhares Fotografia

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Lançamento de Homo Cactus em Chaval/CE será dia 25 de agosto de 2018.


O escritor chavalense Marcello Silva lançará seu novo livro denominado "Homo Cactus" no próximo dia 25 de agosto do corrente ano, às 16h30 no Point Gamboas (barraca da Felitita) no Porto do Mosquito em Chaval/CE. Na ocasião ocorrerá um bate papo com o autor, música ao vivo e sorteio de livros.

O livro publicado pela Editorial Hope reúne quinze contos com temática interiorana. Lendas, estórias e misticismo estão presentes na obra. (Saiba mais AQUI)

Marcello Silva nasceu em Chaval/CE. Além de escritor é formado em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Piauí e graduando em Direito na Universidade Estadual do Piauí. (Saiba mais AQUI)

sexta-feira, 6 de julho de 2018

Homo Cactus - por Pádua Marques

Me pego lendo Homo Cactus, livro de contos de Marcello Silva. E vejo que as coisas estão mudando pra estas bandas da coroa do norte do Piauí, da serra da Ibiapaba e na nossa literatura. Já não existem mais fronteiras e obstáculos entre o lado de cá e o de lá. Sem querer ficar remoendo o tempo passado e a velhice que vem se aproximando na ponta dos pés, no meu tempo era difícil ver e ler coisas novas e descobrir novos escritores um dia após outro.

A gente por mais que tentasse acabava caindo nos clássicos universais e nos medalhões da literatura brasileira, Machado de Assis, Fagundes Varela, Bilac, Coelho Neto, Humberto de Campos, esse último para nos aproximar com as particularidades de nossa terra. Mas gente nova mesmo, quando chegava, era sempre difícil de ser assimilada. Mas os tempos são outros e há uma gente boa e nova construindo pontes entre as culturas sem dar importância às dificuldades.

Certo dia me deparei com o livro O Pescador, de um rapaz nascido e criado no Chaval, Marcello Silva. Li e reli o livro dele de ponta a ponta e cá comigo calculei o pulo que ele um dia iria dar. Entre poesias e crônicas ele falava de sua terra e de sua gente, seus costumes, a infância boa no meio de riachos, praias, lagoas, a casa da avó e essas tantas coisas boas que nos passam pela vida. Apurei a leitura e descobri um escritor em crescimento. E ele não estava só e nem me decepcionou. Havia mais e mais outros iguais a ele.

Parece, desculpem a comparação, que estavam eles iguais brinquedos raros e peças de arte do Oriente, guardados numa caixa e que uma mão inquieta um dia iria abrir. Esta geração está prometendo e já está fazendo muito e mais rápido. São mais unidos e alegres que a minha geração. Podem unir a música à poesia, a crônica ao teatro, o conto ao cinema e tudo vai dando certo e ficando bonito igual às rendas e os bordados das mulheres do Ceará.

Mas falando em Homo Cactus, o autor Marcello Silva está no seu melhor momento. Nesta obra está toda a sua terra, seus costumes, medos, brinquedos, lembranças, os pais e os irmãos, sua primeira escola, as ruas de sua cidade, as conversas e as superstições. Bonito de ler a rudeza dos diálogos, a descrição dos homens e das suas igrejas e casas. É bonito e gratificante ler uma obra igual a esta. E a gente acaba viajando entre os contos, seus títulos, frases e as letras, por entre as veredas que ninguém nunca imagina onde vão chegar.


*Antonio de Pádua Marques Silva, da Academia Parnaibana de Letras.

segunda-feira, 2 de julho de 2018

Lobisomens e cangaceiros desfilam no nosso novo livro: Homo Cactus.


O escritor chavalense, radicado em Parnaíba, Marcello Silva, lançará no segundo semestre deste ano, seu mais novo trabalho literário. A obra em questão se trata do livro de contos denominado “Homo Cactus” que será publicado pela editora paulista “Editorial Hope”.

O livro trás estórias e lenda da vida interiorana. São 15 contos que se comunica com o tempo e o espaço rural. “Cresci ouvindo boa parte dessas estórias. Costumava ficar observando as conversas dos meus avós e anciões da comunidade onde eu morava. Prometi que um dia eu colocaria no papel” afirmou o autor.

Há mistérios e suspenses em quase todos os contos como, por exemplo, em "Cangaceiro Sem Face" onde numa vila um sujeito estranho e misterioso aparece em uma noite a procura dos bisnetos do rei do cangaço; "O Lobisomem de Santa Cecília" narra a estória de fatos estranhos ocorridos na Fazenda Santa Cecília depois do aparecimento do silencioso Manoel Redondo. O amor ganha faces nos contos "O Pecado de Maria" quando a narradora vai fazer um trabalho de campo da faculdade conhece dona Celeste e seus segredos; "Buk e as galinhas" relata a vida rotineira de dois eternos amantes. Angústia e fé nos contos "Canto do Urutau I e II" quando uma mãe ganha voz e evidencia sua dor e drama ao esperar a volta de um filho que saíra de casa há quase três décadas; "Menino Vaqueiro" baseia-se em fatos, onde narra a angustia e a fé de uma família ao procurar pelo filho pequeno que se perdera no sertão. Enfim, os demais contos seguem essa temática e estilo.

Para o escritor e jornalista Pádua Marques “É bonito e gratificante ler uma obra igual a esta. E a gente acaba viajando entre os contos, seus títulos, frases e as letras, por entre as veredas que ninguém nunca imagina onde vão chegar...”

Para o escritor e professor Carvalho Filho: “nas narrativas de Marcello Silva um universo de homens duros e práticos, embora suscetíveis à fantasia, vivendo em um mundo a um só tempo lógico e assombrado.”. Mais adiante continua o professor Carvalho “Suspense e misticismo são alguns dos elementos encontrados nos contos deste volume. Quanto ao espaço, a zona rural se destaca como cenário privilegiado.”

Por fim, ponderou a escritora Luana Silva: “Esse abraço nostálgico que Homo Cactus nos traz é espinhoso, porém necessário. Essa resiliência que inspira, é o símbolo do sertão!”

O livro “Homo Cactus” estará disponível em breve no site do Grupo Editorial Hope (https://www.editorahope.com/ ) e será lançado no segundo semestre em Parnaíba/PI e Chaval/CE. 

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Mediando Clarice Lispector no Clube de Leituras do Sesc Caixeiral


A obra “Felicidade Clandestina”, da escritora Clarice Lispector, foi o livro escolhido do mês de junho para debate no Clube de Leituras do Sesc Caixeiral. O bate-papo ocorreu nesta terça-feira, dia 26, às 18h, no Centro Cultural. A mediação ficou por conta do escritor Marcello Silva, autor do livro O Pescador e Homo Cactus (lançamento em breve)

Estiveram presentes os componentes do Clube de Leitura, poetas do grupo Versania, O Piagui e demais admiradores de Clarice. O encontro foi supervisionado por Camila Maia, analista de literatura do Sesc Caixeiral.

Sobre a obra:


Publicado pela primeira vez em 1971, "Felicidade Clandestina" é um livro que reúne 25 textos (contos? crônica? ensaios?) da escritora brasileira Clarice Lispector - alguns já publicados anteriormente - sendo também o título do primeiro conto.


Os contos abordam assuntos como infância, adolescência e família, sem deixar de abordar as angústias da alma.

Como é comum nas obras de Clarice Lispector, a descrição dos ambientes, das personagens e o enredo perdem a importância para a revelação profunda dos personagens (epifania).


Sobre a autora:
Clarice Lispector (1920-1977) foi uma escritora e jornalista brasileira, de origem judia, reconhecida como uma das mais importantes escritoras do século XX. "A Hora da Estrela" foi seu último romance publicado em vida.







quarta-feira, 20 de junho de 2018

Poesia na Escola Baby House em Parnaíba/PI


Uma tarde linda de poesia com as crianças da Escola de Ensino Infantil Baby House de Parnaíba/PI. Estivemos na unidade escolar a convite da professora Vitória Vanessa e fomos bem recebidos por todos, inclusive pela diretora Karol Rodrigues. Uma tarde de aprendizagens.

Estiveram presentes os escritores Marcello Silva, Claucio Ciarlini e Luana Silva. Na ocasião houve brincadeiras/interpretações em torno das poesias com temáticas infantis de vários autores nacionais (Cecília Meireles, Vinicius de Moraes, Roseana Murray etc...)

As obras O Pescador e Versania também estiveram presentes, bem como os jornais "O Piagui" e "Correio Literário".

sábado, 2 de junho de 2018

"O Pescador" no Corredor Literário do SESC Caixeiral em Parnaíba/PI


Com uma grande presença de púbico o Centro Cultural João Paulo dos Reis Velloso, o SESC Caixeiral, promoveu na noite dessa sexta-feira 1º de junho, o Corredor Literário, um encontro entre escritores e leitores para a venda e exposição de livros, conversas, recitais de poesias e atrações de teatro e musica. 

Estiveram presentes os escritores Claucio Ciarlini, Carvalho Filho, Marcello Silva, Morgana Sales, Leonardo Silva, Alexandre Cesar Mendes, Emanoel Carvalho, Daltro Paiva e Gustavo Rosal, componentes do Grupo Versania e do periódico cultural O Piagui; e ainda os escritores Ithalo Furtado, Jorge Barbosa, Dante Brito, Taís Fontenelle, Fabiana Santos, Patrícia Araújo, Ana Maria Castro, além da imprensa e de intelectuais. 

A Academia Parnaibana de Letras, parceira do SESC, esteve representada pelos escritores Alcenor Candeira Filho, que lançou o livro “Novas Páginas Parnaibanas”, Dilma Ponte de Brito, o secretário-geral Antônio Gallas Pimentel e o bibliotecário Antônio de Pádua Marques Silva. 

O presidente da APAL, José Luiz de Carvalho, impedido de comparecer por motivo de saúde, foi representado na ocasião pela acadêmica Dilma Ponte de Brito, que salientou a importância do evento e considerou a possibilidade de outros serem realizados em uma data ainda a ser combinada. 

A coordenadora do evento, Camila Maia, se mostrou satisfeita com o resultado deste primeiro evento e comemorou a interação entre os escritores, projetando futuros eventos de igual porte.





Fonte: APM Noticias/MarcelloSilva


sexta-feira, 18 de maio de 2018

Sesc Caixeiral promove bate-papo com a escritora Luana Silva.



O Sesc Caixeiral, através do programa “Plataforma Sesc Escrever Sem Fronteiras” promoveu na noite deste sexta-feira (18/05) um bate-papo com a escritora Luana Silva com mediação da também escritora, Joyce Cleide.

O bate-papo começou às 18h sob a supervisão da analista Laiane Fontenele. Estiveram presentes, além da escritora convidada Luana Silva e a mediadora Joyce Cleide, os escritores do Grupo Versania (Carvalho Filho, Marcello Silva, Morgana Sales e Zilmar Junior); escritoras Socorro Brasiliense e Ana Ferreira; estudantes da escola Marocas Lima de Ilha Grande/PI e demais convidados.

O evento teve a intervenção artística de Erica Jamp e Maria Luísa, interpretando textos da escritora Luana Silva.

Para a mediadora Joyce Cleide “esse evento é um grande incentivo para os jovens. Tenho certeza que foi plantado uma sementinha em cada um deles aqui hoje” concluiu a escritora.

Para Luana Silva “foi uma riquíssima experiência. É compensador cada instante, cada pergunta... a interação natural. O Sesc me acolheu de braços abertos e me proporcionou um instante ímpar” e quanto a espaço cultural e escritora finalizou: “Tal qual mãe, o Sesc Caixeiral nos acolhe e transforma nossa arte, versos e prosa em eternidades. ”

Ao final, Laiane Fontenele agradeceu aos presentes enfatizando a importância do “Escrever Sem Fronteiras” bem como, a relevância da participação de todos nas atividades do Sesc Caixeiral.

Conheça a escritora convidada:
Luana Silva é escritora co-autora do Livro Versania. Participou da segunda edição do Jornal Correio Literário do Sesc Piauí, possui texto publicado na Plataforma Escrever sem Fronteiras e é colaboradora do Jornal O Piagui Culturalista. Ministra oficinas de criação literária em escolas públicas.

Conheça a mediadora:
Joyce Cleide Araújo da Silva é natural de Parnaíba, há sete anos é professora do Ensino Fundamental I e, há “incontáveis” outros, amante da poesia. Publicou seus textos nos jornais O Piaguí e Correio Literário. Em 2017 participou da coletânea poética Versania.








quinta-feira, 10 de maio de 2018

Primeiras impressões do livro "Homo Cactus" pelo blog "Cá Entre Nós"

Imagem ilustrativa

Livro: HOMO CACTUS

Autor: Marcello Silva

Editora: Hope

(Ainda irá entrar em pré venda)

Minhas impressões:

Um livro onde vemos várias historias, tendo o sertão como fundo. Vamos nos apavorar com o lobisomem e sempre nos benzer ao passar por uma encruzilhada.

Conhecer a triste história de um cangaceiro traído e de um menino esperando o papai noel. E nos emocionar com um casal e vê amor nas coisas mais simples da vida, e que uma botija pode devolver a paz para os vivos e para os que se foram.
Dentre outras histórias interessantes, vamos ver a vida no sertão, escolhas e consequências, e o principal: a fé.

Gostei muito da leitura e estou ansiosa para ver o livro físico pronto.

Li o livro em e-book que foi cedido pela Editora Hope para resenha.
Ainda está sem capa definida, essa foi feita por mim. Logo que sair trago para vocês.

Minha nota:🌟🌟🌟🌟

Link: Instagram AQUI
Blog Cá Entre Nós AQUI



RESENHA/PRIMEIRAS IMPRESSÕES. Livro: HOMO CACTUS Autor: Marcello Silva Editora :Hope (Ainda irá entrar em pré venda) Minhas impressões: Um livro onde vemos várias historias, tendo o sertão como fundo. Vamos nos apavorar com o lobisomem e sempre nos benzer ao passar por uma encruzilhada. Conhecer a triste história de um cangaceiro traído e de um menino esperando o papai noel. E nos emocionar com um casal e vê amor nas coisas mais simples da vida, e que uma botija pode devolver a paz para os vivos e para os que se foram. Dentre outras histórias interessantes, vamos ver a vida no sertão, escolhas e consequências, e o principal: a fé. Gostei muito da leitura e estou ansiosa para ver o livro físico pronto. Li o livro em e-book que foi cedido pela Editora Hope para resenha. Ainda está sem capa definida, essa foi feita por mim. Logo que sair trago para vocês. Minha nota:🌟🌟🌟🌟
Uma publicação compartilhada por 📚Nossas leituras📖💕Ig Literario (@jis_rocha) em

Poeta Patativa do Assaré recebe Título de "Dr. Honoris Causa" em Pernambuco

O 4º CLISERTÃO – Congresso Internacional do Livro, Leitura e Literatura no Sertão, acontece de 7 a 11 de maio na Universidade de Pernambuco, Campus Petrolina, sertão de Pernambuco. O evento contou com mesas redondas, conferências, oficinas, mini-cursos, feiras de livros, passeios de ecoleitura, contação de histórias e apresentações artísticas. Este ano tinha como tema: “As Margens da/na Literatura, Linguagem e leitura”. Entre os homenageados do congresso estavam o poeta Patativa do Assaré, a professora e fundadora do curso de Letras da UPE em Petrolina, Yeda Barros e a Poeta Zilda Alves.

Mesmo depois de ter assumido a vida eterna há 15 anos, o poeta Patativa do Assaré, continua a receber expressivas homenagens, como a que lhe fora prestada nesta segunda-feira (7), na cidade de Petrolina, quando a Universidade de Pernambuco, lhe concedera o título de Dr. Honoris Causa. Na sua justificativa o professor Dr. Peterson Martins pontua que a obra de Patativa permanece viva e presente onde quer que exista injustiça, isso faz dele um dos poetas mais estudado e referenciado no que diz respeito à crítica e injustiça social que assola a vida do sertanejo. Diante disso, o poeta foi diplomado em Dr. Honoris Causa (in memorian) através do seu neto Daniel Gonçalves

Matéria Completa no blog do Amaury Alencar AQUI
Mais sobre o poeta Patativa AQUI

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Poema | Rotina...



Prisioneiro do tempo 

Agregado as correntes das horas 
Sou escravo do pêndulo do meu relógio 

Obediente ao comando do tic-tac... Rouco e lento 
Feito passos de solidão adentrando as fracas lembranças humanas


Desperto-me na existência
Como de um sono breve e melancólico 
Por mim passam faces e corpos
Quão belas mulheres, cujos passos não descrevo
E cujas bocas ingerem -me a inspiração. 
Portanto, calo-me.

O que faço apegado á monotonia dos minutos,
Fragmentos do meu dia, quieto e igual a outros tantos?


SILVA, Marcello. 2018

quinta-feira, 5 de abril de 2018

Escritores realizam oficina de poesia na Escola Marocas Lima em Ilha Grande/PI

Iniciou-se nesta quinta-feira (05/04) a oficina de produção de poesias na Unidade Escolar Marocas Lima em Ilha Grande/PI. A oficina é realizada pela escritora Luana Silva, residente em Ilha Grande e pelo escritor Jailson Júnior de Parnaíba a convite da coordenadora Francileide Galeno. Os escritores são coautores da coletânea poética Versania e colaboradores do Jornal O Piagui Culturalista.


A oficina faz parte do projeto da escola de incentivo a produção literária. o Evento iniciou-se as 14h com uma roda de conversa e apresentações pessoais dos participantes. Em seguida os escritores fizeram uma explanação conceituais sobre o tema (soneto, cordel, haicai, poesia livre etc). Após algumas dinâmicas e declamações de poesia, foi iniciada as produções poéticas.

Participam da oficina alunos do 1º ao 3º ano do ensino médio. O evento objetiva aproximar os estudantes ao universo literário, gerando um elo entre a didática e arte literária de forma mais branda, e assim fazer com que a poesia flua mais livre e natural no ambiente escolar. 

Segundo o escritor Jailson Júnior "essa intervenção junto aos alunos desperta o interesse deles e os traz para perto da realidade da literatura. Retira o conceito de que o escritor é imbuído do estereótipo de distante, isolado, excessivamente culto" e finaliza o escritor dizendo: "Mostra a eles que a poesia é algo próximo, e o escritor, acessível e tão cotidiano quanto qualquer outro ser humano".

Já Luana Silva disse que "é uma oportunidade super enriquecedora para ambas as partes, tanto para nós escritores quanto para eles alunos. É uma troca. Os estudantes têm muito a nos ensinar" concluiu. 

A segunda etapa da oficina ocorrerá próxima quinta (12/04) e a culminância do projeto ocorrerá na sexta-feira (13/04) na mesma unidade escolar com apresentação dos trabalhos produzidos.








quarta-feira, 7 de março de 2018

Marcello Silva participará de bate-papo do Escrever sem Fronteiras promovido pelo Sesc Caixeiral


A Plataforma Sesc Escrever sem Fronteiras promove o primeiro encontro do ano entre escritores do Jornal Correio Literário.


Será no próximo sábado (10), às 18h, no Centro Cultural Sesc Caixeiral, em Parnaíba. A entrada é gratuita.

O tema do debate é o gênero literário Crônica, que faz parte da produção do escritor convidado, Marcello Silva, e da mediadora Patrícia Araújo, que é cronista e estudante de Letras.

Saiba mais sobre o artista convidado:

Marcello Silva é bacharel em Contabilidade (UFPI) e estudante de Direito (UESPI). É também membro da Academia Mundial de Cultura e Literatura e autor do livro de poesias "O Pescador". Participou das coletâneas "Versania” e “Natal do Castelo Literário”, além do projeto literário “Enredado”. Participa do livro "Literarte Celebra o Ceará", é editor do blog Chavalzada e colaborador do Jornal "O Piagui Culturalista.


Fonte: Assessoria de Comunicação. link AQUI

Veja como foi: