Viver é urgência! www.marcellossilva.com.br

domingo, 28 de junho de 2020

Relato | Positivo para Covid-19. E agora?

De Wuhan para minhas narinas. Não sei o percurso que ele fez, mas ele chegou, sem alarde e se instalou por aqui. "Olá sou o SARS-CoV-2 ou Covid-19" disse. 

A OMS emitiu o primeiro alerta para a doença em 31 de dezembro de 2019, depois que autoridades chinesas notificaram casos de uma misteriosa pneumonia na cidade de Wuhan, metrópole chinesa com 11 milhões de habitantes, sétima maior cidade da China e a número 42 do mundo. 

Na quarta-feira estranhei algo diferente no meu corpo que começou a fica dolorido, uma espécie de "moleza" nos músculos a qualquer tentativa de movimento. Vontade de ficar deitado, "eita, que estou numa preguiça braba" pensei. Que nada, logo em seguida (quinta-feira, feriado) veio a sensação febril e falta de paladar o olfato. "Putz! Acho que pode ser o Covid-19 de fato" indaguei comigo. Na sexta-feira não fui trabalhar. Sábado os sintomas se repetiram. Tomei um remédio para gripe normal, além de chá caseiros que aprendi com minha vó. Domingo, estava melhor. Segunda-feira tentei voltar a trabalhar, mas ao sair de casa, meu corpo já dera sinal de que tínhamos uma batalha à frente. No mesmo dia me afastei do trabalho e procurei a unidade de saúde do meu bairro e na ocasião não tinha médico, mas a farmacêutica que me atendeu, depois de meu relato, me recomendou isolamento e me encaminhou a hospital de campanha para marcar o teste Swabs Nasofaringe. Marquei o teste (para quinta-feira), no entanto, não consegui atendimento com um(a) médico(a). Na terça-feira retornei a unidade de saúde, mas também não consegui atendimento. Fiquei sem saber o que fazer até quinta, quando faria o teste. Procurei ajuda por meio virtual e os profissionais de plantão foram atenciosos e, por eu está com sintomas leves, me recomendaram ficar em repouso até quinta-feira, pois além de fazer o teste, teria a oportunidade de consultar um profissional pessoalmente. Na quinta, fiz o teste (resultado sairia em 72 horas) e consultei o médico. Fui medicado e voltei ao meu isolamento social. 

Na segunda-feira seguinte, busquei o teste e ... "Positivo" para SARS-CoV-2. Nenhuma surpresa pra mim, meu corpo já havia me confirmado que aquela "gripe" era diferente.

Antes mesmo das primeiras doses de remédio, meu corpo dera sinal de resistência, pois não senti mais a sensação febril e aquela "estranheza" no corpo já havia diminuído consideravelmente. Depois da medicação, o olfato e paladar foram voltando aos poucos (voltei a sentir o gosto ruim da minha comida, mas nunca mais reclamo...rs) . Um tosse persistiu mais alguns dias, mas também foi cedendo. Hoje 28 de junho de 2020 estou a 72 horas assintomático e pronto pra recomeçar o que deixei parado há mais de 15 dias de isolamento. Foi um momento de incertezas, reflexão, análise e redescobertas. 

Durante esse período, tive ajuda dos colegas que se redobraram no trabalho, além de vim deixar aqui "baião-de-dois" (risos); familiares e amigos por meios virtuais; colegas de casa que tiveram que sair do ambiente de convívio, mas sempre vieram fazer e deixar as compras (mercadinho, farmácia); a presença virtual dos meus filhos, brincando, aprontando, vivendo... a inocência alheia a tudo isto que ocorre no mundo. 

Por fim, gratidão a algo maior e mais complexo que minha razão possa compreender. Você pode chamar de Deus, Cosmo, Grande Luz, Universo... etc. Citando Sócrates, "sei que nada sei" aqui preso nesta dimensão com nossa limitação humana de compreensão holística. 

Assim, GRATIDÃO!

SILVA, Marcello. 

28 de Junho de 2020 às 15h50min.


quinta-feira, 25 de junho de 2020

Livros "Homo Cactus" disponíveis com o autor


LIVRO HOMO CACTUS 

Olha quem apareceu por aqui! Uma nova remessa de exemplares do livro de contos HOMO CACTUS do escritor chavalense @marcello_s_silva (Grupo Editorial Hope 2018). Quem ainda não tem e deseja adquirir, é essa a chance! Valor único: R$ 30,00

Contato: (88) 98854-6209 (WhatsApp)
.
*aceitamos cartões *frete grátis .


Mais sobre Homo Cactus nos links abaixo:


terça-feira, 5 de maio de 2020

Entrevista | Flávia Valois "Caneta de Águia"


Caros amigos leitores, voltamos com nossa série de entrevistas. E hoje iremos dialogar com Ana Flávia Baetas Valois, 32 anos. É Advogada. Pós-Graduada em Direito e Processo Civil pela Escola Superior de Advocacia da OAB – PI. Possui experiência nas áreas Cível, principalmente em questões contratuais e de responsabilidade civil e, também, nos assuntos correlacionados ao Direito do Consumidor na seara da Saúde. Autora participante da antologia "Poesia Livre – ano 2019” da Editora Vivara, com o poema “A Mulher de Trinta Anos.” Poema este que ganhou destaque na 4ª Edição do Correio Literário publicado pelo Sesc PI.

Marcello Silva  – Primeiramente, me fale um pouco sobre você. Quem é Flávia Valois?

Flávia Valois -  É uma paraense simples, batalhadora e, que tem um carinho muito especial por Parnaíba.

Marcello - Me fale sobre sua formação?

Flávia - Sou formada em Direito desde meados de 2010. Atuo de forma autônoma como Advogada especializada em Direito e Processo Civil tendo experiência, também, no setor administrativo na parte que correspondente ao setor de RH.
Possuo forte interesse de pesquisa em questões atreladas ao Direito Médico.

Marcello – Como nasceu seu interesse pela literatura? E como você começou a escrever?

Flávia - Vou ser bem honesta, o interesse veio depois que me desprendi da obrigação de ler as coisas do colégio ou que me indicavam neste ciclo. Veio quando me senti mais livre durante a faculdade para aproveitar o tempo que me restasse e assim, o usasse para “curtir” algo não jurídico nas inúmeras esperas das viagens diárias de idas e vindas para a casa, pois o meu campus de estudo era bem distante.

Marcello - Você sente mais emoção ao escrever qual gênero (poesia, conto, romance etc.)?

Flávia - Emoção eu sinto escrevendo uma boa crônica! Embora também já tenha me arriscado a escrever alguns contos.
E a poesia, ah ela é a minha calmaria! Vem sem eu querer nada, de forma inesperada, diante de qualquer situação. Esteja com o celular ou com o lápis e o caderninho em mãos. Depois que a escrevo, é incrível! Me sinto bastante serena.
Já o Romance, admiro quem consegue escrever. Acho uma proeza ter imaginação para narrativas mais longas que te amarram e conectam do início ao fim, ainda não consegui. (risos).

Marcello - Como você organiza seu processo criativo: decide o que vai ser escrito e por onde começar e quais serão as fases?

Flávia - Depende muito. Se tiver em mãos algum trabalho mais específico, de observar alguma situação ou fato para escrever uma crônica, aí sim, eu me planejo!
Leio bastante, procuro fontes seguras para montar algo que prenda a atenção do meu leitor e desperte-lhe o seu senso crítico e, nessas horas, procuro -dependendo do tema - ser imparcial para deixar a decisão de quem me ler aguçada, acesa no ato de pensar!
Os contos que escrevi, vieram todos sem pretensão alguma e, quando me sentei para escreve-los foram rápidos, só parei quando os finalizei. Digamos que seja um processo menos disciplinado e mais intuitivo.
Atualmente estou na fase de recolher tudo o que já escrevi de conto e crônica para produzir meu primeiro livro solo que já tem material pronto, (só faltando fazer revisão e edição) e contará com 5 contos inéditos e 30 crônicas.

Marcello – Sobre seus trabalhos literários... Fale um pouco sobre o Projeto “Caneta de Águia”

Flávia - O Projeto Caneta de Águia surgiu como nome em 2008, sonhei com isso! Só não sabia o que exatamente seria. Como tenho muita fé em Deus e Jesus Cristo, acredito que ele tenha me preparado esse tempo todo para amadurecer e, finalmente poder colocar o que penso dos livros que leio, na rede.
Tem sido um trabalho desafiador e instigante! Encontrei nesse meio pessoas de todas as idades e de gêneros literários dos mais variados.
Já tenho parceria com uma escritora nacional de romance de época; já fiz duas leituras beta de livros que ainda estão para serem publicados (é ótimo ter esse contato e ler o original do parceiro – autor) e, estou ao lado da Editora Vargas que desde cedo (desde que tinha pouquíssimos seguidores) apostou na qualidade da minha escrita e, firmamos uma parceria de leitura dos seus livros pelos próximos 12 meses.
É um espaço muito característico onde aprendo bastante com os grandes influencers que sigo e, também, com os meus colegas que mantém contato, os chamados bookstagrammers.
Esse nicho é dificílimo e não possue ninguém do Brasil, até o dado momento, com milhões de seguidores. Traduzindo a falta de um fomento maior e mais comprometido com a nossa cultura que, ao meu ver, não está nas mãos só do Estado, está principalmente nas nossas.
Tenho encarado isso como uma responsabilidade positiva e construtivista de colaboração para um futuro melhor. Dia 25/06 faremos 1 ano de existência lá no Instagram e já possuímos mais de 1k de seguidores. (@flavalois “Caneta de Águia!”)

Marcello – Você tem também participações em Coletâneas... Nos fale um pouco sobre essas participações.

Flávia - Participei com o meu Poema “A Mulher de Trinta Anos” da antologia denominada Poesia Livre 2019 da Editora Vivara. Já fui aprovada em poemas e contos, também, nos concursos literários da Editora Trevo, ainda sem publicação. Agora no conto, recente soube da aprovação de “Amor Líquido e Sombras Elétricas” da coletânea Conte-me um Conto realizada pelo CNNE-Concurso Nacional Novos Escritores.

Marcello - O que uma crítica literária significa para o seu trabalho (como escritora e resenhista, por exemplo)?

Flávia - Quando bem construída, uma crítica me faz entender um pouco mais não só da minha própria escrita, mas também de desenhar, um pouco, da percepção de vida de quem dedicou um tempo para ler aquilo que produzi.
Sabe, me faz sentir um pouco mais do mundo do meu leitor!
Se me der um motivo bom para que eu mesma mude algo e, dessa forma me reconstrua mais madura e entendedora do que se passa na cabeça do outro, volto pra casa feliz. Caso contrário, agradeço e, com humildade sigo em frente, confiante de que as minhas letras podem sim, trazer alguma espécie de acalanto ou interesse em descoberta ao tocar nos mais variados tipos de alma. Amo gente e suas complexidades!

Marcello – Segundo a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil desenvolvida pelo Instituto Pró-Livro com os dados de 2016 revelam que o brasileiro lê em média 2,43 livros por ano. O que você pensa sobre isso?

Flávia - Isso tem que mudar! Arranjam-se tanto tempo para fazer o mau uso das redes sociais, propagando fofocas / notícias falsas que as horas voam! Menos de 3 livros por ano é uma média muito baixa. Aí vejo do tamanho do perigo de se domar uma população incapaz de duvidar, questionar, debater sem os velhos discursos de ódio e/ou veneração e, sem um estudo prévio para obter-se qualquer boa análise critica. E isso, a boa mudança, começa pelos jovens!
Hoje, se você emitir uma simples opinião discordante, pode ganhar fácil haters! Falta até a inteligência emocional para saberem lidar com os contrários.
Falhar na educação é continuar no atraso. O Brasil precisa nessa esfera em específico, dar uma boa corrida! Só assim teremos, quem sabe... a moral de alguma chance.

Marcello – Como conciliar as letras e as leis (literatura e a advocacia)?

Flávia - Tem sido um pouco corrido, mas tem dado certo. A literatura, acredite, é o meu escape nos dias mais cansativos e tortuosos!

Marcello – Como você avalia o mercado editorial brasileiro atualmente?

Flávia - Antes da pandemia, já era um mercado que andava cultivando e comercializando bastante os livros de “entretenimento e autoajuda.” Não tenho nada contra, porém, os que tem alguma mensagem um pouco mais crítica, precisavam ser conhecidos pelos jovens, ou melhor, se darem a conhecer sem aquela velha cara de poucos amigos ou difícil demais para a digestão (risos).
Livros continuam sendo caros e visto por muitos como artigo de luxo!
Os mais clássicos e os de literatura regional, ou continuam caros demais ou sem a devida boa vitrine de comercialização. É nessas horas que o trabalho dos influencers literários ajuda bastante! Tudo está se renovando e, essa é a parte boa!
Nós, e me refiro assim porque hoje me considero uma influencer também, somos os responsáveis por propagar as resenhas do que lemos na internet. Temos a nossa parcela de ajuda para com as editoras. E, quando você trabalha nesse meio de forma séria, dar valor a literatura nacional é primordial.
Editora + Influencers é um casamento que prevejo está razoavelmente estável, em tempos de crise temporária por conta do Covid-19 mas, o ser humano tem a total capacidade constante de se reinventar ainda mais.
No entanto, o caso das editoras para com as livrarias é grave. Isso a Saraiva, por exemplo, terá que saber como fazer para não falir. Digo sentindo e torcendo muito para que não aconteça! Pois a considero uma das se não a melhor rede de livrarias do Brasil.
As grandes livrarias e editoras estão em um momento atual muito difícil, mas creio que em 2021 tudo volte ao eixo trabalhoso anterior a esta crise global, que deverá obrigatoriamente se renovar fazendo todos passarem a usar o meio virtual. Tanto na venda de livros físicos por lojas online, como pela divulgação ainda maior dos chamados e-books.

Marcello – Como você analisa a literatura parnaibana (historicidade e atualidade)

Flávia - Como estou morando em Parnaíba há cinco anos, tenho me surpreendido de forma bastante positiva. Acho que o Piauí precisa de uma voz que desague para além do Rio e do seu Delta.
As belas artes aqui encontradas na natureza, poderão ser levadas para o além mar de outros viventes distantes.
Confio na produção de jovens como Marcello Silva e Karoline de Carvalho e, tenho vontade de ler todos do Assis Brasil e um, em específico está na minha lista de desejados. É o romance em que ele fala de como ler os livros de Faulkner!
Quanta nobreza e elegância em não falar só de si ou daquilo que criou. Isso me cativa!
As crônicas de Cineas Santos em "Cambalhotas Para Ninguém" foi o meu livro escolhido no projeto “Te aquieta e lê” da Secult-PI. E, por fim, ao me aventurar escrever poemas, quero ter ao menos 10% da braveza e delicadeza de Torquato Neto que tinha em si, a linda missão de trazer poesia para tudo aquilo que fazia, ou seja, quero tocar em tudo e poder transformar em literatura!

Marcello - Considerações finais...

Flávia - Amo mandar o que escrevo para o “Escrever sem Fronteiras do Sesc Piauí!”
É um projeto maravilhoso com uma plataforma super organizada que nos faz desenterrar nossos textos da gaveta ao verem eles sendo passados pelas mãos de curadores letrados e, se aprovados, serem com cuidado bem publicados. A experiência com eles é de um fundamento que logo logo, farei uma participação online comentando mais sobre, aguardem!

Link da Instagram: Caneta de Águia (@flavalois)




Marcello Silva – Escritor


quarta-feira, 11 de março de 2020

Convocatória | Aberta as inscrições para 6ª edição do Slam Biqueira Literária em Parnaíba/PI


O Sesc Caixeiral, em Parnaíba, abre convocatória para selecionar participantes para a 6ª edição do Slam Biqueira Literária, que acontece no dia 28 de março. As inscrições são gratuitas e vão até o dia 17.

Para participar do evento cada poeta/poetisa deverá acessar o site do Sesc, onde encontrará a ficha de inscrição e declaração de parentesco, que deverá ser preenchida e enviada ao email slambiqueira@pi.sesc.com.br

Cada poeta/poetisa deverá inscrever no mínimo três e no máximo cinco poesias autorais, que irão passar por processo de curadoria, conforme equipe designada pelo Sesc Piauí.

Serão critérios de validação da inscrição literariedade, quantidade de textos conforme expresso na convocatória, obra autoral e preenchimento correto da ficha de inscrição.

Sobre o Slam Biqueira Literária

O projeto integra as ações do Trilhas Literárias, promovido pelo Sesc Piauí com apoio do Departamento Nacional do Sesc, e busca ressaltar a poesia oral e performática autoral, além de promover um espaço para mapeamento de artistas, valorização da produção local e reunir pessoas em nome do diálogo de opiniões e da arte.

O evento promoverá um encontro de poesia falada, no qual os participantes serão avaliados por uma curadoria designada pelo Sesc Piauí. Todos os inscritos terão acesso a um workshop de formação (antes do evento) e o poeta selecionado em 1º lugar (no dia do evento), pela curadoria, poderá ser incluído na programação de Literatura do Centro Cultural Sesc Caixeiral no exercício de 2020, como forma de incentivo artístico.

Link da convocatória:
http://www.pi.sesc.com.br/images/convocatoria/CONVOCATORIA_SLAM_2020.pdf

Ficha de inscrição:
http://www.pi.sesc.com.br/images/outras/convocatoriaslam2020ficainscricao.docx

Fonte: Sesc/PI

sexta-feira, 31 de janeiro de 2020

UESPI Parnaíba realiza curso de férias sobre Mulheres na Filosofia


O campus Alexandre Alves Oliveira, em Parnaíba, realiza o curso de férias “Vozes silenciadas: a presença das mulheres na Filosofia” entre os dias 10 e 15 de fevereiro. O curso está com as inscrições abertas no site do evento. A proposta da atividade almeja investigar o trabalho de algumas filósofas ao longo da construção da história da filosofia e perceber como a influência feminina foi importante para o desenvolvimento do pensamento filosófico.

O curso pretende apresentar as vozes, muitas vezes, pouco ouvidas das mulheres em discussões filosóficas fundamentais. Ele será ministrado unicamente por mulheres, professoras da Universidade Estadual do Piauí e Universidade Federal do Piauí, de modo a alcançar um público amplo, de alunos e da comunidade interessada em compreender um pouco mais da presença feminina no percurso do pensamento ocidental.

A professora e uma das organizadoras, Solange Costa, afirma que ainda dentro das universidades e outras instituições de ensino, pouco trabalha-se com mulheres na Filosofia, então essa é uma questão histórica. “Infelizmente, por mais que nós tenhamos uma grande porcentagem de mulheres filósofas, pouco se fala da história delas. Nesse sentido, esse curso objetiva dar visibilidade à essas mulheres para que os estudantes do curso de Filosofia e outros cursos tenham acesso à esses textos”, diz.

A programação conta com a cada dia, durante uma semana, com uma professora diferente que trabalhará com textos de uma filósofa, totalizando cinco professoras ministrantes e cinco filósofas estudadas. O curso ocorrerá de forma dialogada, baseada em textos e discussões que serão previamente disponibilizadas para os alunos inscritos.

A Profª Adriana Alves de Lima Lopes irá discutir sobre “As mulheres na Grécia Clássica”. A proposta pretende ressaltar a relevância dessas mulheres a partir dos aspectos de sua biografia, historicidade, formação intelectual. “Discutiremos sobre a condição feminina a partir de três pensadoras: Safo de Lesbos, poetisa lírica e sua conexão com o pensamento filosófico; Aspásia de Mileto, professora, filósofa, estudiosa da retórica e conhecida como prostituta; Diotima de Mantinéia, sacerdotisa e filósofa, de grande contribuição para a filosofia socrática”, conta.

O curso tem carga horária de 60 h/a e oferta 40 vagas. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas online ou no evento até quando houver vagas.

Fonte: Uespi

segunda-feira, 27 de janeiro de 2020

Concurso Novos Autores - Prêmio Cidade de Teresina - Edição 2020


A FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA MONSENHOR CHAVES, tornar público para conhecimento dos interessados, a abertura das inscrições para o CONCURSO “NOVOS AUTORES – PRÊMIO CIDADE DE TERESINA EDIÇÃO/2020”, conforme os dispositivos estabelecidos no presente instrumento legal.

Informações:

a) Voltado a piauienses natos ou radicados no Estado há pelo menos 03 (três) anos
b) Livros Inéditos - Diversas categorias

Premiação:
I) Publicação das obras

Prazo: 20 de março de 2020


Organização:
Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves

Contato - Mais informações e Dúvidas:

Regulamento:





sábado, 18 de janeiro de 2020

Lançada a 4ª edição do "Correio Literário" no Sesc Caixeiral em Parnaíba/PI

A noite desta sexta-feira (18) foi de muita alegria e valorização da Literatura Piauiense. O Sesc Caixeiral, localizado em Parnaíba/PI, sediou o lançamento da quarta edição do Correio Literário, que nessa edição traz um fanzine como produto final da Plataforma Sesc Escrever Sem Fronteiras, que carrega em seu conteúdo várias publicações que foram postadas no site ao longo do ano de 2019.

Com música e poesia, o evento aconteceu no Café Concerto da União Caixeiral e contou com a participação de escritores e amantes da literatura. Voz e violão ficou por conta do  casal, também escritores, Jailson Junior e Morgana Sales. 

Nessa edição consta os textos de: Lorena Nery, Lucas Victor, Ana Flávia Valois, Rosa Maria Dias, Alzerina Pinho, Beatriz Freitas, Junior Gualberto, Karoline de Carvalho, Renato Lopes, Claucio Ciarlini, Dayane Bruna, Ana Beatriz, Fram Rocha, Jefferson Dion e Gabriela de Almeida. As ilustrações são do artista plástico Frank Carneiro.

O Correio Literário chega a sua quarta edição e será distribuído de forma gratuita na rede de bibliotecas do Sesc Piauí e representa uma valorosa conquista para aqueles que ainda não haviam tido a oportunidade de publicar sua produção e também para os leitores e pesquisadores da Literatura.

O Escrever Sem Fronteiras tem como curadores e escritora teresinense Ananda Sampaio e o escritor Marcello Silva, tendo como supervisora a Analista em Literatura Laiane Fontenele.

A Plataforma Escrever sem Fronteiras é um site para publicação literária que vem abrindo espaço para divulgação e valorização da produção escrita no estado do Piauí. Confira AQUI






domingo, 12 de janeiro de 2020

Claucio Ciarlini é empossado na Academia Parnaibana de Letras | Cadeira 23


A forte chuva que caiu na noite do sábado, dia 11, não apagou o brilho da festa de posse de Claucio Ciarlini Neto na Academia Parnaibana de Letras, solenidade realizada no auditório da subseção da Ordem dos Advogados do Brasil, com a presença de acadêmicos, convidados, familiares e amigos do novo imortal. O discurso de recepção foi feito pelo escritor Renato Arariboia de Brito Bacellar. 

O presidente José Luiz de Carvalho, aberta a solenidade, nomeou uma comissão, formada pelos escritores Alcenor Candeira Filho, Antonio de Pádua Marques Silva e Roberto Cajubá da Costa Britto para introduzirem o novo acadêmico no salão. Em seguida o secretário Antonio Gallas Pimentel prosseguiu com os trabalhos dando vez à escritora Christina Moraes Souza Oliveira, segunda secretária da APAL, para que fizesse a entrega do diploma a Claucio Ciarlini. A aposição do manto foi feita por Ana Roberta. 

No seu discurso de entrada, Ciarlini agradeceu o apoio recebido pela eleição, fez um relato de sua trajetória cultural como professor, incentivador de movimentos, a formação e o agradecimento especial à família, a mulher Ana Roberta e às filhas Ingrid e Caroline e à mãe Rosângela. Ressaltou que chega à entidade com o objetivo de muito trabalho e abrindo espaço cada vez mais para as novas gerações. 

Estiveram presentes à cerimônia de posse de Claucio Ciarlini, além de familiares, amigos e os membros da Academia Parnaibana de Letras, colegas professores, colaboradores e seus companheiros do movimento cultural Versania, Marcello Silva, o casal Francisco e Ana Carvalho, a escritora e poetisa Edinólia Fontenele, Jaílson Júnior e Morgana Sales, Benedito Lima, Airton Porto, Daltro Paiva, Luana Silva, Gustavo Rosal e Carlos Pontes e a professora Rossana Silva.



Fonte: APAL. Fotos: APAL. Edição: APM Notícias. 




quinta-feira, 2 de janeiro de 2020

Universitários chavalenses apresentam Seminário sobre vida e obra de Marcello Silva



No último dia 21 de julho de 2019, universitários chavalenses da turma de Pedagogia do Centro Universitário UNINTA, apresentaram em Sobral/CE, Seminário Interdisciplinar com o tema "Marcello Silva, cidadão ilustre chavalense". O trabalho apresentado discorria sobre a vida e obra do escritor chavalense Marcello Silva

A pesquisa se baseou em bibliografia, pesquisa em sites, jornais e em entrevistas com autor em questão que se disponibilizou para a turma. 

Desde da abordagem da origem do autor que nasceu na zona rural de Chaval (Fazenda Poção) passando pela vida acadêmica e profissional até ao trabalhos literários de Marcello Silva. Mais AQUI

Clarice Souza, membro do grupo, disse que "foi um enorme prazer para nós desenvolver este trabalho, conhecer a fundo a trajetória de vida de Marcello e levar essa descoberta para outras pessoas conhecerem também"

Para Diego Araújo "Nossa apresentação foi muito boa e saímos com sensação de dever cumprido. E tudo isto foi possível graças a disponibilidade do autor" concluiu o estudante.

O trabalho foi orientado pelos professores Raimundo Pedro Justino de Orlanda e Raimunda Nonata Gomes Batista.

O grupo é constituído pelos seguintes estudantes: Clarice Souza, Diego Araújo, Júnior Brito, Reginaldo Cardoso e Sara Alves.

Apresentação no 4° Salão de Turismo Rota das Emoções em Parnaíba/PI


Aconteceu nos dias 27 a 30 de novembro, em Parnaíba/PI, o 4º Salão do Turismo da Rota das Emoções. O Salão é realizado conjuntamente pelo SEBRAE dos estados do Ceará, Piauí e Maranhão, e surgiu como estratégia para integrar os atores locais relacionados com o roteiro, promovendo o destino e compartilhando informações, resultados e conquistas. O evento é realizado no formato de revezamento entre os estados que integram a Rota das Emoções.


O autor Marcello Silva compôs a equipe que representou Chaval/CE no evento. Na ocasião, o poeta declamou no palco principal, um cordel á cidade, denominado: "Chaval - Ilha de Pedra". Confira:




Leia na íntegra no Artigo Científico sobre o livro Homo Cactus | por Antônio J. Sales

O pesquisador, professor e escritor Antonio José Sales, de Luis Correia/PI, apresentou, no dia 25 de janeiro (2019), seu trabalho científico no Congresso Nordestino de Educação (CONED) que foi realizado em Parnaíba/PI. O trabalho de Antônio José Sales, tem por base o livro Homo Cactus (Editora Hope, 2018) do escritor chavalense, Marcello Silva.

O artigo em questão ( "Homo Cactus: Uma mostra da resiliência da cultura popular e da literatura oral nordestina") acaba de ser publicado em e-book numa coletânea de trabalhos científico, organizado pelo Prof. Dr. Francisco Ricardo Almeida Amorim. Abaixo, confira:

RESUMO

O presente artigo tem o propósito de analisar a coletânea de contos Homo Cactus. A análise dessa obra literária se desenvolve numa perspectiva de valorização das principais características da cultura popular e dos traços da literatura oral nordestina na concepção da mesma. Primeiramente são apresentadas as características do que seja cultura popular e do que seja literatura oral, tanto numa abordagem ampla como no contexto do regionalismo nordestino. A abordagem das características da cultura popular e literatura oral nordestina são baseadas nos pressupostos teóricos de Câmara Cascudo, entre outros estudos e pesquisas relevantes na área. Na segunda parte são descritas as características mais evidentes da obra que a classificam e a situam dentro da proposta de análise: cultura popular e literatura oral no gene da obra literária Homo Cactus. Esta análise se desenvolve por meio de pesquisa bibliográfica, análise da obra em epígrafe e por meio de entrevista e enquetes com o próprio autor da obra literária.

Confira no link o artigo na íntegra a partir da página 994: