Viver é urgência! www.marcellossilva.com.br

sábado, 27 de fevereiro de 2021

Marcello Silva é premiado em São Paulo.


O escritor chavalense Marcello Silva, autor dos livros
Homo Cactus e O Pescador, foi premiado no Estado de São Paulo com seu poema inédito "Andarilhos". Na cidade de Pindamonhangaba foi selecionado para XIV Festipoema 2020. Na cidade de Presidente Prudente foi selecionado no XIII CLIPP- Concurso Literário Ruth Campos. E por fim, foi o 2º colocado no IV edição do Concurso Literário Abrace um Autor do Instituto Federal de São Paulo, campus São Paulo.

No Festival de Pindamonhangaba o poema foi interpretado por Lana Santos (veja vídeo abaixo) em evento virtual, por causa da pandemia. Em Presidente Prudente será publicado uma antologia com os poemas selecionado. No Instituto Federal de São Paulo, os textos vencedores serão publicados na revista eletrônica Odisseia Literária. O escritor receberá certificados, troféu e uma quota de livros da coletânea com os autores vencedores.




O poema "Andarilhos"

Segundo o autor, o poema Andarilhos foi escrito para homenagear dois amigos "depois de uma vivência numa expedição na Pedra da Baliza, zona rural chavalense, veio a ideia de escrever esse poema ao Ricardo Fontenele e a Neyci Sotero, parceiros de expedição". Segundo o autor a intenção inicial era de publicar poema Andarilhos na Coletânea "Poemas entre Gerações", um trabalho que reuni 60 escritores e é organizado pelo Jornal O Piagui e a Academia Parnaibana de Letras. Essa coletânea será lançada em Dezembro.

"Depois dessa boa repercussão do poema, penso seriamente, em escrever mais algumas estrofes e transformá-lo em livro" conta o autor.



Fonte: Chavalzada



segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

Atevaldo Rodrigues | O homem que fotografa infinitos


Saudade e nostalgia de um tempo pretérito tatuado nas lembranças do poeta Atevaldo Rodrigues e ao mesmo tempo, visões futurísticas mapeadas com o sabor e o cheiro que só a poesia é capaz de ofertar a um homem. O Eu lírico de “Onde Termina o Infinito” é um menino sem camisa, calça surrada, de estilingue na mão, sentado em uma pedra à beira de um açude, observando o passar da vida interiorana, simultaneamente, é um homem de face fria chorando metáforas à noite sem estrelas. “A dor que nasce é tão funda / A alma quase se esvai” diz ele.

Os poemas são em versos livres e ritmos poéticos variados. Ora são curtos como coices e outras vezes, são ritmados com um solo de saxofone. As metáforas são ricas e apaziguadoras à alma-leitora que sonha e vibra a cada verso.

A simplicidade das metáforas e intimidade do poeta com as coisas simples da vida, o amor a família e amigos... são, sem dúvidas, a maior riqueza desta obra que provoca o leitor a reflexão sobre a essência da vida, o quão mágico e divino é o instante: saudade para quem viveu e curiosidade para aquele que ainda pode viver cada pedaço de vida imortalizado na poética do autor. Através destas metáforas, percebemos a dimensão de cada fração de segundo ao lado dos pais, irmãos, amores, casa, chão, cheiro de vó... Café.

Atevaldo fotografa infinito toda vez que escreve. Este lugar metalinguístico é onde reside todas as versões do poeta, do menino e homem. Lá na morada do fim, o poeta tem carta branca e um banco de madeira tal qual no café do Cazuza em Chaval, e ele é rei de suas metáforas, lembranças, saudades e com elas, o poeta brinca de criador de mundos paralelos.

“Onde Termina o Infinito” mora toda alma do poeta Atevaldo. Os poemas são convites a viajar a multidimensões oníricas, mas reais e talvez até cruas. Algumas metáforas são lâminas afiadas e quando menos esperamos, estamos sangrando como o poeta ao escrevê-las. Os poemas desta obra descrevem a cidade natal com suas pessoas, cheiros, gostos e trejeitos bucólicos típicos; fala das coisas desimportantes a olho nu e de valor imensurável; descreve o abstrato existencial que atormenta todo ser pensante neste plano: o que é o amor? Existe a morte? E Deus?.

Caro leitor, se tu leres esta obra e não chorar em alguma parte dela, desconfiarei da tua humanidade. “Onde termina o infinito” é uma dose poética necessária para nos manter vivo e compreender a importância dos sonhos, das utopias e das saudades.

Marcello Silva – Escritor

quinta-feira, 26 de novembro de 2020

Veja a lista dos vencedores do Prêmio Jabuti 2020 | 'Solo para Vialejo' é eleito livro do ano

Foto: Divulgação/ Prêmio Jabuti

O Prêmio Jabuti anunciou, nesta quinta-feira (26), os vencedores de sua 62ª edição. O livro de poesia "Solo para vialejo", da autora Cida Pedrosa, foi eleito livro do ano na premiação.

Lançada em outubro de 2019, a obra da pernambucana é um poema épico-lírico que acompanha uma viagem do litoral ao sertão, repleto de referências musicais. Além do troféu, Pedrosa vai receber o prêmio de R$ 100 mil.

O vencedor da categoria romance literário foi "Torto Arado", do autor baiano Itamar Vieira Junior. O escritor desbancou "Essa gente", de Chico Buarque. O romance acompanha as irmãs Bibiana e Belonísia, que encontram uma misteriosa faca na mala guardada sob a cama da avó.

Por causa da pandemia de coronavírus, a cerimônia foi realizada de modo virtual. A escritora brasileira Adélia Prado foi homenageada como Personalidade Literária da edição.

No total, são 20 categorias, divididas entre quatro eixos: Literatura, Ensaios, Livro e Inovação. Segundo a organização, este ano, o prêmio teve um aumento de 20% no número de inscritos (2.599 no total). Os primeiros colocados de cada categoria receberão o troféu Jabuti e R$ 5 mil.

Confira a lista de vencedores:

Livro do ano

"Solo para vialejo" | Autor(a): Cida Pedrosa | Editora(s): Cepe Editora

Literatura

Romance Literário

"Torto arado" | Autor(a): Itamar Vieira Junior | Editora(s): Todavia

Conto

"Urubus" | Autor(a): Carla Bessa | Editora(s): Confraria do Vento

Crônica

"Uma furtiva lágrima" | Autor(a): Nélida Piñon | Editora(s): Record

Histórias em Quadrinhos

"Silvestre" | Autor(a): Wagner Willian | Editora(s): Darkside Books

Infantil

"Da minha janela" | Autor(a): Otávio Júnior | Editora(s): Companhia das Letrinhas

Juvenil

"Palmares de Zumbi" | Autor(a): Leonardo Chalub | Editora(s): Nemo

Poesia

"Solo para vialejo" | Autor(a): Cida Pedrosa | Editora(s): Cepe Editora

Romance de Entretenimento

"Uma mulher no escuro" | Autor(a): Raphael Montes | Editora(s): Companhia das Letras

Ensaios

Artes

"AI-5 50 ANOS - Ainda não terminou de acabar" | Autor(a): Gabriel Zacarias, Galciani Neves, Izabela Pucu, Alexandre Pedro de Medeiros, Caroline Schroeder, Carolina de Angelis, Luise Malmaceda, Theo Monteiro, Pedro Borges, Paulo Cesar Gomes, Paulo Miyada e Priscyla Gomes | Editora(s): Instituto Tomie Ohtake

Biografia, Documentário e Reportagem

"Escravidão: do primeiro leilão de cativos em Portugal até a morte de Zumbi dos Palmares: Volume 1" | Autor(a): Laurentino Gomes | Editora(s): Globo Livros

Ciências

"Futuro presente: o mundo movido à tecnologia" | Autor(a): Guy Perelmuter | Editora(s): Companhia Editora Nacional

Ciências Humanas

"Pequeno manual antirracista" | Autor(a): Djamila Ribeiro | Editora(s): Companhia das Letras

Ciências Sociais

"130 anos: Em busca da República" | Autor(a): Edmar Bacha, José Murilo de Carvalho, Joaquim Falcão, Marcelo Trindade, Simon Schwartzman e Pedro Malan | Editora(s): Intrínseca

Economia Criativa

"Ecochefs: parceiros do agricultor" | Autor(a): Instituto Maniva | Editora(s): Senac Rio

Livro

Capa

"Penitentes - Dos ritos de sangue à fascinação do fim do mundo" | Capista: Luisa Malzoni, Isabel Santana Terron e Beatriz Matuck | Editora(s): Tempo d'Imagem

Ilustração

"Cadê o livro que estava aqui?" | Ilustrador(a): Jana Glatt Rozenbaum | Editora(s): FTD Educação

Projeto Gráfico

"Arquiteturas contemporâneas no Paraguai" | Responsável: Maria Cau Levy, Christian Salmeron, Ana David e André Stefanini | Editora(s): Escola da Cidade e Romano Guerra Editora

Tradução

"Bertolt Brecht: Poesia" | Tradutor(a): André Vallias | Editora(s): Perspectiva

Inovação

Fomento à Leitura

FLUP - Festa Literária das Periferias | Responsável: Julio Ludemir

Livro Brasileiro Publicado no Exterior

"Lorde" | Editora(s): Grupo Editorial Record, Two Lines Press


terça-feira, 3 de novembro de 2020

Amazon | Guia para criação de uma conta no Kindle Direct Publishing






Outro Links Úteis do KDP: 

Site do KDP 

KDP – Central de ajuda 

KDP – Página de ajuda sobre primeiros passos 

eBook ‘Preparando seu livro para o Kindle’ 

Termos e condições de publicação no Kindle Direct Publishing 

Kindle Create 

Kindle Previewer 

KDP – Página de ajuda sobre royalties 

Associados Amazon

Fonte: https://kdp.amazon.com/pt_BR/help/topic/G202193670

1 Este guia de criação de uma conta no Kindle Direct Publishing deve ser considerado como uma orientação e não substitui as informações contidas nos sites do Kindle Direct Publishing, incluindo mas não se limitando aos termos e condições de publicação no Kindle Direct Publishing.

terça-feira, 20 de outubro de 2020

“Vinte Contos para Simplício Dias” o novo livro de Pádua Marques.

 


Escrever é experimentar a sensação do criador no sétimo dia, ao observar suas criaturas forjadas na argila e metáforas. E é nesta construção metafórica que o escritor Antônio de Pádua Marques Silva nos brinda com mais um trabalho louvável: “Vinte Contos para Simplício Dias”.

Pádua Marques é um prosador do cotidiano. Como diria o escritor Vinícius de Moraes[1] “Senta-se diante de sua máquina, acende um cigarro, olha através da janela e busca fundo em sua imaginação um fato qualquer, de preferência colhido no noticiário matutino, ou da véspera, em que, com as suas artimanhas peculiares, possa injetar um sangue novo.” 

“Vinte Contos para Simplício Dias” reúne a coleção de 23 contos, nos quais o autor ousou utilizar a História e fatos verossímeis como planos de fundo para enriquecer sua prosa. Os contos em questão é uma mistura do real e do imaginário fértil do autor. Até que ponto é ficção ou verdade? Com esta indagação, o escritor nos fisga e nos prende na leitura da obra. Em cada linha é perceptível a escrita peculiar de Pádua Marques que não abre mão de palavras e variações linguísticas da sua região. 

Na obra em questão, Pádua Marques utiliza alguns nomes reais da família “Dias da Silva, personagens históricos e importantes no desenvolvimento social de Parnaíba e região nos séculos XVIII e XIX. A citar, o nome que dá título à obra: Simplício Dias da Silva, um dos mais importantes vultos da história do município, bem como, e sua esposa Isabel Tomásia. Por outra, o autor constrói personagens fictícios como o escravo Elias, servo ‘fiel’ a família Dias da Silva. Nesse contexto se desenvolve o enredo dos contos, descrevendo a vida cotidiana de Parnaíba no século XIX com sua Rua Grande, Praça da Graça, Porto das Barcas, Porto Salgado e, principalmente, descreve sua gente e seus instantes corriqueiros. 

Em “Vinte Contos para Simplício Dias” acontece de tudo um pouco, desde confusões provocadas pela invasão indígena à vila no conto “O bacamarte e a lança” passando pela espera da visita de imperador francês em “Simplício Dias à espera de Napoleão Bonaparte na praia da Pedra do Sal” e assim descreve o autor no conto: “Foi emocionante e ao mesmo tempo triste a expedição dos voluntários da Parnaíba que iriam enfrentar Napoleão Bonaparte e os seus soldados naquela que se chamaria a Batalha da Pedra do Sal”. Isto sem mencionar, o aparecimento de uma múmia egípcia, no conto “A múmia que dormiu na casa de Simplício Dias na Parnaíba”. 

Índios, escravos, cientistas, revoltosos, coronéis, comerciantes estrangeiros, dentre outros, resolvem aparecer pelo Cais do Porto, Praça das Graças ou Casa Grande e todos festejam a História, a Parnaíba e a memória dos tempos pretéritos, sob o comando da batuta do maestro da prosa, escritor Antônio de Pádua Marques Silva, “O Padinha”. 

Assim, caro leitor, não te conto mais! Convido-te a adentrar o “universo simpliciano” e se deleitar nas aventuras e imaginação de “Vinte Contos para Simplício Dias”

Marcello Silva - Escritor

www.marcellossilva.com.br



[1] MORAES, V. Para viver um grande amor: crônicas e poemas. São Paulo: Cia. das Letras, 1991


quarta-feira, 23 de setembro de 2020

Quem é "ELE" o novo livro de Mailson Furtado.



Ele é livro. Ele é poesia, é conto... É ninguém. O novo livro de Mailson Furtado intitulado "ele" é poema-livro ou um livro-poema tal qual "à cidade" (Jabuti 2018). 

Nesse novo trabalho, o autor mantém a subjetividade poética que caracteriza sua escrita...esse brincar com as palavras, adjetivos, verbos...frases. 

No eu-lírico em terceira pessoa, um narrador sem face (ou com todas elas) baila no sala de estar do escritor. O 'ele' é homem, menino... ancião, deveras. Vai e vem por lá e cá. É muitos entre nós. São tantos Mailsons, Antônios, Josés contido n'ele' e assim, a poesia flui como rio que bebe da sua própria fonte.

"viver é etcétera" dizia Guimarães Rosa como faz "ele" homem-comum que poderia habitar um 'poema sujo" de Gullar ou ainda observar a 'vida de besta, meu deus" de Itabira aos olhos de Drummond, mas não: Ele é tempo Furtado do poeta cearense que craveja, em diamante, uma poética prazerosa de se viver em cada página ou em cada estar do personagem-narrador. Um texto-poema-livro para ser lido e vivido em qualquer tempo e ou a qualquer hora. 

Um lindo trabalho gráfico. Texto prazeroso de se ler entre gravuras/imagens que amplia o compreender da obra. Papel não cansa a vista. Capa enigmática que provoca a curiosidade que só é saciada depois da leitura. 

Dados da Obra:

Título: Ele
Autor: Mailson Furtado
96 páginas.
Ano 2020
Produção independente 
Impressão: Expressão Gráfica e Editora
Capa: Renancio Monte
Literatura brasileira. Poemas


Texto: SILVA, Marcello. 2020




terça-feira, 25 de agosto de 2020

Estátua de metal de Torquato Neto é inaugurada em Teresina/PI

Foto: Semdec
Um par de longas asas de metal, como asas de avião, agora decora a paisagem do Parque da Cidadania, no Centro de Teresina. A estátua “Anjo Torto”, criação do artista plástico Braga Tepi, foi instalada no parque durante a última semana. A obra, um anjo de metal com 8,5 metros de envergadura e 1,80 metro de altura, foi construída em ferro, aço, bronze, alumínio e cobre.

O escultor foi inspirado pelo famoso poema “Lets Play That”, de Torquato Neto. “Ele tem essas asas enormes, as asas de avião como diz no poema. Quis que ele trouxesse esse ar de anjo caído, já que o Torquato tinha esse aspecto da rebeldia”, comentou o escultor.

O trabalho, interrompido pela pandemia, foi concluído em cerca de 2 meses e meio de trabalho de Braga Tepi. Com mais de 20 anos de carreira com esculturas, o ex-mecânico falou com o G1 da alegria que é ter uma de suas obras em um ponto tão querido pelos teresinenses.

“Eu já tenho várias obras em outros lugares do Brasil, como Brasília, Rio de Janeiro, e não tinha nada em Teresina. Pra gente, que mora aqui, que produz aqui, ter uma obra no parque é uma felicidade grande”, disse.

A obra foi instalada entre os gramados do Parque da Cidadania, lugar que, para o artista, abriga bem a ideia da peça.
Foto: Braga Tepi/ Redes sociais

“Acho que encaixou legal no parque. É um lugar que as pessoas vão para respirar, tomar um ar, ficar perto da natureza. E parece que o anjo também foi fazer uma visita ao parque”.

O escultor Braga Tepi tem mais de vinte anos de profissão. Ele começou a trabalhar como mecânico de automóveis, quando tinha 18 anos. Logo a criatividade foi impondo o trabalho artístico sobre o técnico, e o rapaz passou a aproveitar restos de peças de carros para fazer esculturas

“Comecei fazendo algumas peças para decorar minha casa. Com o passar dos anos as peças foram aumentando, até se tornarem minha atividade principal”, contou o artista.

Hoje, Braga tem um ateliê em Teresina e uma vasta experiência em exposições em galerias por todo o Brasil e em outros países. “O mercado hoje em dia, para nós, é o mundo. Com a internet a gente pode estar em contato com galerias de todos os lugares. O segredo é não parar de produzir”.

Leia o poema de Torquato Neto que inspirou a obra:

Lets Play That – Torquato Neto

quando eu nasci
um anjo louco muito louco
veio ler a minha mão
não era um anjo barroco
era um anjo muito louco, torto
com asas de avião

eis que esse anjo me disse
apertando minha mão
com um sorriso entre dentes
vai bicho desafinar
o coro dos contentes
vai bicho desafinar
o coro dos contentes

let's play that


Fonte: G1/PI

quinta-feira, 20 de agosto de 2020

Concurso Literário | 5ª edição do Prêmio Kindle de Literatura



A 5ª edição do Prêmio Kindle de Literatura chegou. O melhor romance inédito autopublicado via KDP concorre a 40 mil reais, divididos entre um prêmio em dinheiro de R$ 20.000 e um adiantamento de R$ 20.000 para o contrato de publicação da versão impressa do livro, a publicação do título pelo Grupo Record, além dele ser enviado na caixa da TAG Curadoria, e a obra produzida para audiolivro pela Audible.

As inscrições já estão abertas e vão até o dia 18/10. Saiba mais em: Prêmio Kindle


EDITAL

I - Apresentação

a) O concurso cultural “PRÊMIO KINDLE DE LITERATURA” (o “Prêmio”) é promovido pela Amazon.com.br, com apoio do Grupo Editorial Record, e do Clube de Assinatura de Livros TAG Experiências Literárias, com participação de Amazon Audible, conforme descrito neste Edital.

b) O “PRÊMIO KINDLE DE LITERATURA” objetiva premiar obras literárias inéditas na categoria Ficção/Romance escritas em Português do Brasil. Entende-se por “ROMANCE” uma narrativa ficcional longa enquadrada em qualquer subcategoria, como: Fantasia, ficção científica, suspense, histórico, romântico entre diversas outras.

c) A participação neste concurso é voluntária e gratuita não estando condicionada, assim como o resultado deste Prêmio, em hipótese alguma, à sorte, ao pagamento de preço e/ou à compra de produtos pelos participantes, sendo, portanto, de caráter, exclusivamente, literário-cultural, conforme o disposto no artigo 30, do Decreto nº. 70.951/72.

d) A participação neste Concurso sujeita todos os participantes às regras e condições estabelecidas neste Edital. Desta forma, o participante, no ato de seu cadastro, adere a todas as disposições, declarando que leu, compreendeu, tem total ciência e aceita, irrestrita e totalmente, todos os itens deste Edital.
II – ELEGIBILIDADE

a) Poderá se inscrever qualquer pessoa física, maior de 18 anos ou menores, de qualquer idade, devidamente representados pelo seu responsável legal. As informações cadastrais utilizadas para registro na “Ferramenta KDP” serão utilizadas para fins fiscais, quando necessário em conformidade com a legislação vigente. O autor é responsável pela veracidade e precisão das informações cadastradas na “Ferramenta KDP”.

b) As inscrições das pessoas físicas mencionadas no item “a” acima poderão ser realizadas por meio de procuradores, pessoas físicas ou jurídicas, incluindo mas não se limitando a agências literárias (“Representantes”), desde que tais Representantes possuam autorização expressa do(s) autor(es) da(s) obra(s) inscrita(s) para este fim, com menção à aceitação dos termos e condições do presente Edital.

c) Os Representantes que inscreverem autores e suas respectivas obras no Prêmio concordam com todos os termos do presente Edital e declaram, desde já, que as obras são de autoria exclusiva dos respectivos autores inscritos e que nenhum prêmio ou crédito será devido pela Amazon.com.br aos Representantes. Os autores e os Representantes concordam, desde já, que a Amazon.com.br e suas afiliadas não têm ciência e não possuem qualquer responsabilidade sobre a relação jurídica existente entre eles.

e) É vedada a participação de funcionários e estagiários da Amazon.com.br e do Grupo Editorial Record, bem como autores com contratos vigentes com o Grupo Editorial Record, TAG Experiências Literárias e de todos os envolvidos no julgamento das obras inscritas.

f) O Prêmio e o presente Edital são nulos no México, Tasmania, Quebec e em qualquer outro local onde proibido por lei ou sujeito a requisitos legais adicionais. Participantes não podem ser residentes permanentes dos seguintes países: Cuba, Irã, Korea do Norte, Sudão, Syria ou Crimeia.
III – INSCRIÇÃO

a) A inscrição no Prêmio será realizada mediante a autopublicação de obras inéditas na ferramenta Kindle Direct Publishing da Amazon.com.br (a “Ferramenta KDP”). As obras publicadas serão disponibilizadas para venda a consumidores finais, de acordo com os termos e condições da Ferramenta KDP.

b) O período de inscrição será entre 00:00h de 18 de Agosto de 2020 e 23:59h de 18 de Outubro de 2020, horário de Brasília. Obras submetidas para publicação fora desse período não serão elegíveis a participar do Prêmio.

c) Para se inscrever, durante o período de inscrição, o participante deverá acessar a página de login do KDP (kdp.amazon.com.br), seguir as instruções para publicar seu eBook (livro digital), cadastrar a obra no programa KDP Select, e inserir o termo PremioKindle como uma das opções das palavras-chaves do cadastro do livro e cadastrar sob a categoria de “Ficção”. Embora a ferramenta viabilize a publicação de obras em diversas categorias, para fins deste Prêmio, somente será aceita a inscrição nas categorias indicadas no item I deste Edital, sendo de responsabilidade do participante a indicação da classificação da sua obra no momento da sua inscrição.

d) Os interessados obrigatoriamente deverão publicar a obra pelo menos no formato eBook para Kindle.
IV – CONDIÇÕES PARA PARTICIPAÇÃO

a) As obras inscritas deverão ser escritas em língua portuguesa e não poderão constituir ou conter plágio de qualquer espécie ou qualquer violação de direitos de propriedade intelectual. Caso seja constatado qualquer tipo de plágio ou de violação de direito de propriedade intelectual, o participante será imediatamente desclassificado.

b) As obras inscritas não poderão incluir personagens de outras obras (do próprio autor ou de outros autores) e não devem fazer parte de uma série.

c) Durante todo o período compreendido entre a inscrição e a data de divulgação dos resultados finais do Prêmio, o livro digital participante deverá ser publicado exclusivamente na Ferramenta KDP, não podendo seu conteúdo estar disponível em outro meio digital neste periodo.
V – JULGAMENTO DAS OBRAS

a) As obras inscritas serão analisadas por uma comissão julgadora composta por editores, escritores, especialistas em literatura, jornalistas e/ou críticos literários definidos pela Amazon.com.br, Grupo Editorial Record e TAG Experiências Literárias.

b) Os critérios para análise e seleção das obras inscritas são o mérito literário e viabilidade comercial, cabendo à comissão julgadora a decisão, que será soberana e não recorrível.

c) Dentre as obras inscritas, serão escolhidas 5 (cinco) obras finalistas para o Prêmio, que serão objeto de plano especial de marketing na Loja Kindle da Amazon.com.br. Os autores serão remunerados pelas vendas de exemplares da obra em forma digital de acordo com os termos da Ferramenta KDP.

d) A comissão julgadora final concederá o Prêmio a uma única obra.
VI – RESULTADO E PREMIAÇÃO

a) Cada um dos cinco finalistas do Prêmio será notificado por telefone ou e-mail entre os dias 11 a 15 de janeiro de 2021. Cada finalista terá 24 (vinte e quatro) horas a contar da notificação da comissão organizadora para responder e confirmar interesse na seleção para o Prêmio final. Se um finalista for desclassificado, inelegível, não puder ser contatado ou não confirmar interesse no Prêmio final dentro de 24 (vinte e quatro) horas, este finalista será desclassificado e a a organização poderá selecionar outra obra como finalista.

b) A organização não irá entrar em contato com os demais participantes.

c) O vencedor do Prêmio Kindle de Literatura será anunciado na Cerimônia de Premiação a ser realizada entre os dias 12 e 16 de abril de 2021.

d) O vencedor terá sua obra publicada e distribuída comercialmente no formato impresso em selo a ser definido pelo Grupo Editorial Record. O vencedor assinará contrato de publicação com o Grupo, de acordo com os termos por ela determinados (para consultar a minuta-padrão de edição do Grupo Editorial Record, clique aqui)

e) O vencedor também receberá em dinheiro uma remuneração no valor bruto de R$ 40.000,00 (quarenta mil reais), sendo metade paga pela Amazon.com.br e metade paga pelo Grupo Editorial Record como adiantamento de royalties, em até 90 (noventa) dias após a divulgação do vencedor. O método de pagamento da remuneração será aquele cadastrado pelo vencedor na Ferramenta KDP.

f) Os tributos e taxas incidentes sobre o pagamento do prêmio serão retidos pelas respectivas fontes pagadoras e descontados do valor do prêmio.

g) Ficam os participantes cientes de que a publicação e a distribuição da obra no formato impresso estão condicionadas à assinatura de contrato de edição, a ser firmado com o Grupo Editoral Record (livro impresso), o que implica a cessão de determinados direitos autorais à editora, bem como a aceitação das demais condições do respectivo contrato.

h) A publicação e a distribuição da obra no formato de audiobook para os finalistas estão condicionadas à assinatura de um contrato independente a ser definido pela Audible.inc.

i) Para quaisquer situações não previstas neste Edital aplicar-se-ão as regras previstas nos Termos e Condições do Kindle Direct Publishing.
VII – DISPOSIÇÕES GERAIS

a) As inscrições para o Prêmio Kindle de Literatura são gratuitas. Cada autor(a) poderá publicar e inscrever quantas obras desejar, desde que sejam inéditas. Não poderão ser publicadas obras cuja publicação tenha sido previamente contratada com qualquer editora no Brasil ou no exterior. Poderão ser inscritas obras que tenham pequena parcela do seu conteúdo publicado em blogs pessoais ou revistas eletrônicas, desde que não ultrapasse 20% do total.

b) Ao submeter uma obra para publicação na Ferramenta KDP e indexá-la para participação no Prêmio, o(a) autor(a): (i) declara e garante que o texto é inédito, não contém qualquer tipo de plágio e não viola qualquer direito de propriedade intelectual de terceiros; (ii) adere aos termos e condições de autopublicação da Ferramenta KDP, incluindo as condições de conteúdo e qualidade; (iii) concorda com os termos deste Edital.

c) Ao publicar o seu livro na Ferramenta KDP, o participante adere e concorda com todas as condições da ferramenta, cedendo à Amazon.com.br (e a empresas do mesmo grupo econômico no Brasil e no exterior) autorização para comercializar a obra e distribuí-la em programas de assinatura. O(a) autor(a) será remunerado(a) pelas vendas da sua obra na Ferramenta KDP conforme os termos constantes da página http://kdp.amazon.com.br. O(a) autor(a) não poderá publicar o livro submetido para participação no Prêmio, durante todo o prazo de duração do Prêmio, em qualquer outro meio além do KDP, seja físico ou digital.

d) Não serão aceitas obras póstumas.

e) As obras submetidas para autopublicação continuarão a ser disponibilizadas para venda nos termos constantes da Ferramenta KDP mesmo após o término deste Prêmio, podendo o autor retirar a obra do KDP, se assim desejar, nos termos da Ferramenta KDP.

f) No caso de a obra vencedora ser uma obra escrita em co-autoria, o pagamento do prêmio será feito em nome e na conta corrente inserida no cadastro do KDP, sendo responsabilidade deste autor a divisão do prêmio com os demais co-autores.

g) No caso de haver evento de premiação, os cinco autores finalistas terão direito a passagem aérea para comparecer à cerimônia, sem direito a acompanhante. A passagem será concedida apenas para voos domésticos (nacionais). A companhia aérea e o horário do voo para a premiação serão definidos pela Amazon.com.br.

h) O vencedor e os demais finalistas autorizam, desde já, a utilização gratuita, em qualquer local do mundo, de seus nomes, imagens e voz, pelas entidades promotoras do evento, para utilização em fotos, cartazes, filmes, spots, banners, páginas e demais meios de divulgação, em qualquer mídia, suporte e/ou meio de transmissão, analógico ou digital, para os fins de divulgação do Prêmio, sem que a Amazon.com.br ou qualquer terceiro tenha que fazer qualquer pagamento para tanto, pelo período compreendido entre o início do período de inscrições para o Prêmio e 1 (um) ano após a divulgação do resultado do Prêmio.

i) Informações adicionais sobre a quinta edição do Prêmio Kindle de Literatura podem ser obtidas no site: www.amazon.com.br/premiokindle

Fonte: 

domingo, 28 de junho de 2020

Relato | Positivo para Covid-19. E agora?

De Wuhan para minhas narinas. Não sei o percurso que ele fez, mas ele chegou, sem alarde e se instalou por aqui. "Olá sou o SARS-CoV-2 ou Covid-19" disse. 

A OMS emitiu o primeiro alerta para a doença em 31 de dezembro de 2019, depois que autoridades chinesas notificaram casos de uma misteriosa pneumonia na cidade de Wuhan, metrópole chinesa com 11 milhões de habitantes, sétima maior cidade da China e a número 42 do mundo. 

Na quarta-feira estranhei algo diferente no meu corpo que começou a fica dolorido, uma espécie de "moleza" nos músculos a qualquer tentativa de movimento. Vontade de ficar deitado, "eita, que estou numa preguiça braba" pensei. Que nada, logo em seguida (quinta-feira, feriado) veio a sensação febril e falta de paladar o olfato. "Putz! Acho que pode ser o Covid-19 de fato" indaguei comigo. Na sexta-feira não fui trabalhar. Sábado os sintomas se repetiram. Tomei um remédio para gripe normal, além de chá caseiros que aprendi com minha vó. Domingo, estava melhor. Segunda-feira tentei voltar a trabalhar, mas ao sair de casa, meu corpo já dera sinal de que tínhamos uma batalha à frente. No mesmo dia me afastei do trabalho e procurei a unidade de saúde do meu bairro e na ocasião não tinha médico, mas a farmacêutica que me atendeu, depois de meu relato, me recomendou isolamento e me encaminhou a hospital de campanha para marcar o teste Swabs Nasofaringe. Marquei o teste (para quinta-feira), no entanto, não consegui atendimento com um(a) médico(a). Na terça-feira retornei a unidade de saúde, mas também não consegui atendimento. Fiquei sem saber o que fazer até quinta, quando faria o teste. Procurei ajuda por meio virtual e os profissionais de plantão foram atenciosos e, por eu está com sintomas leves, me recomendaram ficar em repouso até quinta-feira, pois além de fazer o teste, teria a oportunidade de consultar um profissional pessoalmente. Na quinta, fiz o teste (resultado sairia em 72 horas) e consultei o médico. Fui medicado e voltei ao meu isolamento social. 

Na segunda-feira seguinte, busquei o teste e ... "Positivo" para SARS-CoV-2. Nenhuma surpresa pra mim, meu corpo já havia me confirmado que aquela "gripe" era diferente.

Antes mesmo das primeiras doses de remédio, meu corpo dera sinal de resistência, pois não senti mais a sensação febril e aquela "estranheza" no corpo já havia diminuído consideravelmente. Depois da medicação, o olfato e paladar foram voltando aos poucos (voltei a sentir o gosto ruim da minha comida, mas nunca mais reclamo...rs) . Um tosse persistiu mais alguns dias, mas também foi cedendo. Hoje 28 de junho de 2020 estou a 72 horas assintomático e pronto pra recomeçar o que deixei parado há mais de 15 dias de isolamento. Foi um momento de incertezas, reflexão, análise e redescobertas. 

Durante esse período, tive ajuda dos colegas que se redobraram no trabalho, além de vim deixar aqui "baião-de-dois" (risos); familiares e amigos por meios virtuais; colegas de casa que tiveram que sair do ambiente de convívio, mas sempre vieram fazer e deixar as compras (mercadinho, farmácia); a presença virtual dos meus filhos, brincando, aprontando, vivendo... a inocência alheia a tudo isto que ocorre no mundo. 

Por fim, gratidão a algo maior e mais complexo que minha razão possa compreender. Você pode chamar de Deus, Cosmo, Grande Luz, Universo... etc. Citando Sócrates, "sei que nada sei" aqui preso nesta dimensão com nossa limitação humana de compreensão holística. 

Assim, GRATIDÃO!

SILVA, Marcello. 

28 de Junho de 2020 às 15h50min.


quinta-feira, 25 de junho de 2020

Livros "Homo Cactus" disponíveis com o autor


LIVRO HOMO CACTUS 

Olha quem apareceu por aqui! Uma nova remessa de exemplares do livro de contos HOMO CACTUS do escritor chavalense @marcello_s_silva (Grupo Editorial Hope 2018). Quem ainda não tem e deseja adquirir, é essa a chance! Valor único: R$ 30,00

Contato: (88) 98854-6209 (WhatsApp)
.
*aceitamos cartões *frete grátis .


Mais sobre Homo Cactus nos links abaixo:


terça-feira, 5 de maio de 2020

Entrevista | Flávia Valois "Caneta de Águia"


Caros amigos leitores, voltamos com nossa série de entrevistas. E hoje iremos dialogar com Ana Flávia Baetas Valois, 32 anos. É Advogada. Pós-Graduada em Direito e Processo Civil pela Escola Superior de Advocacia da OAB – PI. Possui experiência nas áreas Cível, principalmente em questões contratuais e de responsabilidade civil e, também, nos assuntos correlacionados ao Direito do Consumidor na seara da Saúde. Autora participante da antologia "Poesia Livre – ano 2019” da Editora Vivara, com o poema “A Mulher de Trinta Anos.” Poema este que ganhou destaque na 4ª Edição do Correio Literário publicado pelo Sesc PI.

Marcello Silva  – Primeiramente, me fale um pouco sobre você. Quem é Flávia Valois?

Flávia Valois -  É uma paraense simples, batalhadora e, que tem um carinho muito especial por Parnaíba.

Marcello - Me fale sobre sua formação?

Flávia - Sou formada em Direito desde meados de 2010. Atuo de forma autônoma como Advogada especializada em Direito e Processo Civil tendo experiência, também, no setor administrativo na parte que correspondente ao setor de RH.
Possuo forte interesse de pesquisa em questões atreladas ao Direito Médico.

Marcello – Como nasceu seu interesse pela literatura? E como você começou a escrever?

Flávia - Vou ser bem honesta, o interesse veio depois que me desprendi da obrigação de ler as coisas do colégio ou que me indicavam neste ciclo. Veio quando me senti mais livre durante a faculdade para aproveitar o tempo que me restasse e assim, o usasse para “curtir” algo não jurídico nas inúmeras esperas das viagens diárias de idas e vindas para a casa, pois o meu campus de estudo era bem distante.

Marcello - Você sente mais emoção ao escrever qual gênero (poesia, conto, romance etc.)?

Flávia - Emoção eu sinto escrevendo uma boa crônica! Embora também já tenha me arriscado a escrever alguns contos.
E a poesia, ah ela é a minha calmaria! Vem sem eu querer nada, de forma inesperada, diante de qualquer situação. Esteja com o celular ou com o lápis e o caderninho em mãos. Depois que a escrevo, é incrível! Me sinto bastante serena.
Já o Romance, admiro quem consegue escrever. Acho uma proeza ter imaginação para narrativas mais longas que te amarram e conectam do início ao fim, ainda não consegui. (risos).

Marcello - Como você organiza seu processo criativo: decide o que vai ser escrito e por onde começar e quais serão as fases?

Flávia - Depende muito. Se tiver em mãos algum trabalho mais específico, de observar alguma situação ou fato para escrever uma crônica, aí sim, eu me planejo!
Leio bastante, procuro fontes seguras para montar algo que prenda a atenção do meu leitor e desperte-lhe o seu senso crítico e, nessas horas, procuro -dependendo do tema - ser imparcial para deixar a decisão de quem me ler aguçada, acesa no ato de pensar!
Os contos que escrevi, vieram todos sem pretensão alguma e, quando me sentei para escreve-los foram rápidos, só parei quando os finalizei. Digamos que seja um processo menos disciplinado e mais intuitivo.
Atualmente estou na fase de recolher tudo o que já escrevi de conto e crônica para produzir meu primeiro livro solo que já tem material pronto, (só faltando fazer revisão e edição) e contará com 5 contos inéditos e 30 crônicas.

Marcello – Sobre seus trabalhos literários... Fale um pouco sobre o Projeto “Caneta de Águia”

Flávia - O Projeto Caneta de Águia surgiu como nome em 2008, sonhei com isso! Só não sabia o que exatamente seria. Como tenho muita fé em Deus e Jesus Cristo, acredito que ele tenha me preparado esse tempo todo para amadurecer e, finalmente poder colocar o que penso dos livros que leio, na rede.
Tem sido um trabalho desafiador e instigante! Encontrei nesse meio pessoas de todas as idades e de gêneros literários dos mais variados.
Já tenho parceria com uma escritora nacional de romance de época; já fiz duas leituras beta de livros que ainda estão para serem publicados (é ótimo ter esse contato e ler o original do parceiro – autor) e, estou ao lado da Editora Vargas que desde cedo (desde que tinha pouquíssimos seguidores) apostou na qualidade da minha escrita e, firmamos uma parceria de leitura dos seus livros pelos próximos 12 meses.
É um espaço muito característico onde aprendo bastante com os grandes influencers que sigo e, também, com os meus colegas que mantém contato, os chamados bookstagrammers.
Esse nicho é dificílimo e não possue ninguém do Brasil, até o dado momento, com milhões de seguidores. Traduzindo a falta de um fomento maior e mais comprometido com a nossa cultura que, ao meu ver, não está nas mãos só do Estado, está principalmente nas nossas.
Tenho encarado isso como uma responsabilidade positiva e construtivista de colaboração para um futuro melhor. Dia 25/06 faremos 1 ano de existência lá no Instagram e já possuímos mais de 1k de seguidores. (@flavalois “Caneta de Águia!”)

Marcello – Você tem também participações em Coletâneas... Nos fale um pouco sobre essas participações.

Flávia - Participei com o meu Poema “A Mulher de Trinta Anos” da antologia denominada Poesia Livre 2019 da Editora Vivara. Já fui aprovada em poemas e contos, também, nos concursos literários da Editora Trevo, ainda sem publicação. Agora no conto, recente soube da aprovação de “Amor Líquido e Sombras Elétricas” da coletânea Conte-me um Conto realizada pelo CNNE-Concurso Nacional Novos Escritores.

Marcello - O que uma crítica literária significa para o seu trabalho (como escritora e resenhista, por exemplo)?

Flávia - Quando bem construída, uma crítica me faz entender um pouco mais não só da minha própria escrita, mas também de desenhar, um pouco, da percepção de vida de quem dedicou um tempo para ler aquilo que produzi.
Sabe, me faz sentir um pouco mais do mundo do meu leitor!
Se me der um motivo bom para que eu mesma mude algo e, dessa forma me reconstrua mais madura e entendedora do que se passa na cabeça do outro, volto pra casa feliz. Caso contrário, agradeço e, com humildade sigo em frente, confiante de que as minhas letras podem sim, trazer alguma espécie de acalanto ou interesse em descoberta ao tocar nos mais variados tipos de alma. Amo gente e suas complexidades!

Marcello – Segundo a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil desenvolvida pelo Instituto Pró-Livro com os dados de 2016 revelam que o brasileiro lê em média 2,43 livros por ano. O que você pensa sobre isso?

Flávia - Isso tem que mudar! Arranjam-se tanto tempo para fazer o mau uso das redes sociais, propagando fofocas / notícias falsas que as horas voam! Menos de 3 livros por ano é uma média muito baixa. Aí vejo do tamanho do perigo de se domar uma população incapaz de duvidar, questionar, debater sem os velhos discursos de ódio e/ou veneração e, sem um estudo prévio para obter-se qualquer boa análise critica. E isso, a boa mudança, começa pelos jovens!
Hoje, se você emitir uma simples opinião discordante, pode ganhar fácil haters! Falta até a inteligência emocional para saberem lidar com os contrários.
Falhar na educação é continuar no atraso. O Brasil precisa nessa esfera em específico, dar uma boa corrida! Só assim teremos, quem sabe... a moral de alguma chance.

Marcello – Como conciliar as letras e as leis (literatura e a advocacia)?

Flávia - Tem sido um pouco corrido, mas tem dado certo. A literatura, acredite, é o meu escape nos dias mais cansativos e tortuosos!

Marcello – Como você avalia o mercado editorial brasileiro atualmente?

Flávia - Antes da pandemia, já era um mercado que andava cultivando e comercializando bastante os livros de “entretenimento e autoajuda.” Não tenho nada contra, porém, os que tem alguma mensagem um pouco mais crítica, precisavam ser conhecidos pelos jovens, ou melhor, se darem a conhecer sem aquela velha cara de poucos amigos ou difícil demais para a digestão (risos).
Livros continuam sendo caros e visto por muitos como artigo de luxo!
Os mais clássicos e os de literatura regional, ou continuam caros demais ou sem a devida boa vitrine de comercialização. É nessas horas que o trabalho dos influencers literários ajuda bastante! Tudo está se renovando e, essa é a parte boa!
Nós, e me refiro assim porque hoje me considero uma influencer também, somos os responsáveis por propagar as resenhas do que lemos na internet. Temos a nossa parcela de ajuda para com as editoras. E, quando você trabalha nesse meio de forma séria, dar valor a literatura nacional é primordial.
Editora + Influencers é um casamento que prevejo está razoavelmente estável, em tempos de crise temporária por conta do Covid-19 mas, o ser humano tem a total capacidade constante de se reinventar ainda mais.
No entanto, o caso das editoras para com as livrarias é grave. Isso a Saraiva, por exemplo, terá que saber como fazer para não falir. Digo sentindo e torcendo muito para que não aconteça! Pois a considero uma das se não a melhor rede de livrarias do Brasil.
As grandes livrarias e editoras estão em um momento atual muito difícil, mas creio que em 2021 tudo volte ao eixo trabalhoso anterior a esta crise global, que deverá obrigatoriamente se renovar fazendo todos passarem a usar o meio virtual. Tanto na venda de livros físicos por lojas online, como pela divulgação ainda maior dos chamados e-books.

Marcello – Como você analisa a literatura parnaibana (historicidade e atualidade)

Flávia - Como estou morando em Parnaíba há cinco anos, tenho me surpreendido de forma bastante positiva. Acho que o Piauí precisa de uma voz que desague para além do Rio e do seu Delta.
As belas artes aqui encontradas na natureza, poderão ser levadas para o além mar de outros viventes distantes.
Confio na produção de jovens como Marcello Silva e Karoline de Carvalho e, tenho vontade de ler todos do Assis Brasil e um, em específico está na minha lista de desejados. É o romance em que ele fala de como ler os livros de Faulkner!
Quanta nobreza e elegância em não falar só de si ou daquilo que criou. Isso me cativa!
As crônicas de Cineas Santos em "Cambalhotas Para Ninguém" foi o meu livro escolhido no projeto “Te aquieta e lê” da Secult-PI. E, por fim, ao me aventurar escrever poemas, quero ter ao menos 10% da braveza e delicadeza de Torquato Neto que tinha em si, a linda missão de trazer poesia para tudo aquilo que fazia, ou seja, quero tocar em tudo e poder transformar em literatura!

Marcello - Considerações finais...

Flávia - Amo mandar o que escrevo para o “Escrever sem Fronteiras do Sesc Piauí!”
É um projeto maravilhoso com uma plataforma super organizada que nos faz desenterrar nossos textos da gaveta ao verem eles sendo passados pelas mãos de curadores letrados e, se aprovados, serem com cuidado bem publicados. A experiência com eles é de um fundamento que logo logo, farei uma participação online comentando mais sobre, aguardem!

Link da Instagram: Caneta de Águia (@flavalois)




Marcello Silva – Escritor