quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Mistérios das noites interioranas


(Aos meus avós com suas historias lendarias...)

Quem és tu mistério da noite
Corpo caído face esguia
Que vaga triste e errante
Perambulante na noite fria?

Eis caipora assoviante  
Rainha negra assustadora
Que das matas és dona
E dos animais domadora?

Eis o lobisomem peludo
Feroz fera fugidia
Encantado perigo das noites
Viajante das serranias?

Eis mula -sem –cabeça
De estranhos fogos acesos
Na noite és assustadora
Corredora leve sem peso?

Ou ainda queres ser
saci ousado e brincalhão
Negrinho traquineiro
Prezepeiro da escuridão?

Eis alma penada
Vulto branco na negrura
Veloz e arrepiante
Penetrante na noite escura?

Ou eis o visão da meia noite
Com gemidos doloridos
Perseguidor dos andantes
E errantes perdidos?

Eis o irritante gritador
Condutor de um pesado caixão
Gritante na noite escura
A procura de um ‘respondão’?

Seja esse o que for
Enigmático mistério a bramir
Que agora vá embora
Sem demora pode ir