sábado, 3 de janeiro de 2015

Taquicardia


Ela adentrou aquele recinto como se trouxesse, no olhar, todos as minhas fantasias. Anjo? Mulher? Quem era enfim, aquele ser que passava...Desfilava com batom vermelho, rosto corado de blash. Como ela descobriu minha realidade? De que portal ela fugiu dos meus sonhos?
Seus olhos fugidios, fingem não me ver... Sensualiza. Vento no rosto, cabelo esvoaçam, parecem chamas... Coração queima... Taquicardia.


P.S: 
AMOR PLATÔNICO.
No romantismo - sinônimo do amor inatingível do qual o amante teria a satisfação no espírito - o sentimento de amor, por si, já se basta.
(Dizem que os poetas não sobrevivem sem seus amores platônicos)