segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Poeta Pescador - Luana Silva

Ao poeta pescador 

Pés descalços,
arranhões expostos,
pernas, corpo e rosto.

Sob o sol do meio dia,
queima minha tez, já escurecida da lida, da dureza da vida.

Mas insisto e permaneço, perseverar é o meu preço a pagar.

Pelo pão de cada dia, para que nunca venha a faltar um bocado de pão na boca daqueles a quem tenho que criar.

Dias vem, 
Dias tem,
Dias não.

Mas não desânimo não,
sob a bênção de Deus, 
sigo minha missão.

Nas águas do riacho, me encontro em solidão.
A espera do bom tempo, para ter a almejada provisão.

Dias vem,
Dias vão.

Na lida permaneço, 
aguentando os dias escassos,
na fé dos dias bons.

Pela alegria ou pela dor, regido por meu senhor.

Sou poeta, sou pescador.

Texto de Luana Silva